Tamanho do texto

Ex-vice de Obama foi atacado pré-candidatos à Presidência dos Estados Unidos; Biden bateu de frente com senadora Kamala Harris sobre saúde

Joe Biden arrow-options
Reprodução/Twitter
Ex-vice-presidente, Joe Biden é o favorito na disputa pela candidatura democrata à Presidência da República

A segunda noite dedebate entre os pré-candidatos democratas à Presidência dos EUA voltou a ter saúde e imigração como temas centrais, com dois dos principais postulantes à indicação do partido, o ex-vice-presidente Joe Biden e a senadora pela Califórnia Kamala Harris, apresentando planos bem diferentes para as duas questões enquanto eram atacados alternadamente pelos demais: os senadores Cory Booker e Michael Bennet; a senadora Kirsten Gillibrand; a deputada Tulsi Gabbard; o governador do estado de Washington, Jay Inslee; o prefeito de Nova York, Bill de Blasio; o ex-secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano Julián Castro, e o empresário Andrew Yang.

Leia também: Esquerda fica sob ataque em debate entre pré-candidatos democratas nos EUA

O debate registrou a mesma divisão entre a ala esquerda e os centristas do dia anterior em temas como a saúde — um dos que mais dividem os pré-candidatos democratas. Harris, que se aproximou da ala progressista no tema, voltou a defender seu plano de universalização dos serviços de saúde nos EUA, classificado de “confuso” por Biden por não deixar claro o papel das seguradoras privadas no sistema. O plano da senadora também foi alvo de críticas de vários dos outros pré-candidatos por seus altos custos, estimados em US$ 30 trilhões em dez anos.

"Temos que concordar que o acesso à saúde deve ser um direito, e não um privilégio", argumentou Harris, que devolveu as críticas de Biden, classificadas de “imprecisas”, acusando-o de, com seu plano, deixar dez milhões de pessoas sem cobertura de saúde.

Já na questão da imigração , a senadora — que subiu nas pesquisas com seu desempenho no debate anterior, quando encurralou Biden por ter trabalhado com segregacionistas no passado — defende a descriminalização da imigração ilegal nos EUA, legislação que está sendo usada pelo governo de Donald Trump para perseguir os imigrantes.

Leia também: Paraguai cancela acordo com Brasil que provocou ameaça de impeachment de Abdo

Biden, por sua vez, foi bastante atacado por, durante o governo Obama , ter apoiado política que levou à deportação de milhares de imigrantes ilegais dos EUA.

Biden também sofreu ataque do senador Cory Booker por seu papel numa lei penal de 1994 tida como responsável pelo aumento maciço de encarceramento de negros. O ex-vice retrucou que em seus oito anos como prefeito de Newark, Cory nada fez para reprimir abusos policiais.