Tamanho do texto

Javad Zarif teve papel importante na negociação do acordo nuclear de 2015, mas desagradou Donald Trump nos últimos tratados

Mohammad Javad Zarif, chanceler do Irã arrow-options
Reprodução/CNN
Mohammad Javad Zarif, chanceler do Irã


Os EUA anunciaram nesta quarta-feira (31) a imposição de sanções contra o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif . Ao mirarem no principal porta-voz do Irã, os americanos arriscam jogar por terra qualquer chance de retomada dos diálogos diplomáticos em meio à crescente tensão entre os dois países.

 O moderado Zarif foi um importante negociador do acordo de limitação do programa nuclear iraniano em 2015 que Teerã assinou com as potências globais sob o governo do então presidente americano, Barack Obama. O atual presidente dos EUA, Donald Trump, retirou seu país do acerto no ano passado, reaplicando as sanções econômicas sobre o Irã .

Leia também: Irã afirma que plano de paz dos EUA "está condenado ao fracasso"

A tensão entre Washington e Teerã tem crescido nos últimos meses comataques a navios petroleiros no Golfo Pérsico , que os EUA atribuem ao Irã, e a derrubada de um drone america no pelas forças iranianas, o que levou à preparação de um ataque aéreo em retaliação, suspenso por Trump no úlitmo minuto .

Javad Zarif implementa a irresponsável agenda do supremo líder do Irã, e é o principal porta-voz do regime ao redor do mundo. Os Estados Unidos estão mandando uma clara mensagem ao regime iraniano de que seu comportamento recente é completamente inaceitável”, afirmou o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, em um comunicado.

As sanções contra Zarif bloqueiam o acesso a qualquer propriedade ou ativo que tenha nos EUA, mas o ministro iraniano diz não ter nenhuma.

“A razão de os EUA mirarem em mim é porque sou o principal porta-voz do Irã ao redor do mundo”, escreveu Zarif no Twitter. “A verdade realmente é tão dolorosa? Isso não tem qualquer efeito sobre mim ou minha família, já que não tenho nenhuma propriedade ou ativo fora do Irã. Obrigado por me considerarem tão grande ameaça à sua agenda”, acrescentou.

O governo Trump informou que vai decidir se dará o visto de entrada a Zarif, incluindo para viagens às Nações Unidas, caso a caso, deixando em aberto a possibilidade de que ele participe da Assembleia Geral da ONU em setembro. Se Zarif receber o visto, isso pode abrir caminho para contatos diretos ou indiretos dos americanos com ele durante o evento, que leva muitos líderes mundiais a Nova York e foi palco de vários diálogos diplomáticos anteriores entre os EUA e o Irã.

Uma alta autoridade dos EUA reiterou que Trump está disposto a negociar com o Irã, mas disse que o governo não considera Zarif um contato chave.

Mnuchin, por sua vez, diz que Zarif usa as redes sociais para espalhar “propaganda e informações falsas” do Irã enquanto seu governo não permite que os cidadãos iranianos usem tais meios de comunicação por si próprios.