Tamanho do texto

Michelle Bachelet afirmou que assassinato do cacique Emyra Waiãpi “é trágico e repreensível por si só”

Morte de índio repercute no mundo arrow-options
Iphan/Heitor Reali
Morte de índio repercute no mundo


A alta comissária para os direitos humanos da ONU,Michelle Bachelet , afirmou nesta segunda-feira que o assassinato do índio cacique Emyra Waiãpi da terra Waiãpi, próxima à cidade de Pedra Branca do Amapari, no Amapá, “é trágico e repreensível por si só”. Bachelet disse ainda que a política de ampliar as áreas de mineração na Amazônia, proposta pelo governo brasileiro, pode "levar a incidentes de violência, intimidação e assassinatos do tipo infligido ao povo Wajãpi na semana passada".

Leia também: Bolsonaro diz que não há "indício forte" de assassinato de índio Waiãpi no AP

A chefe de direitos humano da ONU apontou que “é essencial que as autoridades reajam rápidamente para investigar o incidente com o índio ".

“Medidas efetivas devem ser tomadas para salvar as vidas e a integridade física do povo Wajãpi, inclusive por meio da proteção de seu território pelas autoridades", disse em nota.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) diz ainda que a Organização das Nações Unidas ( ONU ) e a Organização dos Estados Americanos ( OEA ) irão notificar o Governo Federal a respeito da invasão nas terras indígenas no Amapá.

Leia também: Jair Bolsonaro deve visitar terra dos Waiãpi nesta segunda-feira, diz prefeita

A ONU e a OEA estariam finalizando notas oficiais direcionadas ao Ministério da Justiça e o Ministério do Meio Ambiente pedindo esclarecimentos sobre o caso.

Na declaração desta segunda-feira, Bachelet destacou ainda que a morte de Emrya Waiãpi é “também um sintoma perturbador do crescente problema de invasão de terras indígenas, especialmente florestas, por mineiros, madeireiros e agricultores” no país.

Bachelet encerrou a declaração pedindo ao governo do Brasil para que reconsidere “suas políticas para os povos indígenas e suas terras, para que o assassinato de Emrya Wajãpi não anuncie uma nova onda de violência com o objetivo de assustar as pessoas para fora de suas terras ancestrais e permitir mais destruição da floresta tropical, com todas os ramificações cientificamente estabelecidas que isso tem para a exacerbação da mudança climática”.

PF e MPF investigam morte do índio

A Polícia Federal abriu um inquérito para apurar a morte do índio cacique Emyra Waiãpi da terra Waiãpi, próxima à cidade de Pedra Branca do Amapari, no Amapá. Ele foi encontrado na terça-feira com marcas de perfurações pelo corpo na terça-feira, segundo a Polícia Militar. O Ministério Público Federal (MPF) no Amapá  também investiga as circunstâncias da morte e da invasão  da dermarcação por garimpeiros.