Tamanho do texto

Segundo o advogado da família, avô não sabia que a janela estava aberta e bebê caiu no convés do navio; oficiais de Porto Rico investigam o caso

bebê
Reprodução/Facebook
Chloe Wiegand tinha 1 ano e 6 meses e viajava com a família quando incidente aconteceu

Uma bebê norte-americana morreu após cair da altura de 11 andares da janela de um cruzeiro que estava atracado em San Juan, em Porto Rico. Segundo as autoridades, Chloe Wiegand, de um ano e seis meses, estava no colo do avô, que a segurava para fora da janela do navio Freedom of the Seas, quando caiu no convés da embarcação, no último domingo (7).

Leia também: Recém-nascido é encontrado em caixa no Maranhão

Em uma coletiva de imprensa, o advogado da família, no entanto, afirmou que o caso não aconteceu como contado pela mídia e que, na verdade, a  bebê estava em uma área infantil e caiu de uma janela que deveria estar fechada. “Isso não é como a história de Michael Jackson, em que ele estava segurando a criança pendurada para fora da janela", comentou o advogado Michael Winkleman, segundo a CNN .

A menina era filha de Kimberly Wiegand e Alan Wiegand, um policial de South Bend, cidade localizada no estado norte-americano de Indiana. De acordo com a imprensa local, Chloe viajava com os pais, os irmãos e quatro avós, quando o incidente aconteceu.

O advogado da família contou que a menina e seu avô Sam Anello estavam na área aquática do navio, que era projetada para as crianças, quando pediu para ser levada junto a uma parede de vidro que circundava o local.

Leia também: Bebê de 21 dias morre após ficar 11h esperando atendimento em hospital no Rio

"Você tem uma parede de janelas com um buraco escondido. Inconscientemente, então, o avô coloca Chloe no corrimão de madeira diante da parede, acreditando que Chloe vai bater no vidro como ela faz nos jogos de hóquei de seu irmão e a próxima coisa que ele sabe é que ela sumiu", afirmou Winkleman, de acordo com a CNN .

O advogado ainda acrescentou que o avô estava “chorando histericamente”, mas disse acreditar se tratar de um “incidente evitável”. "Existem leis federais e padrões federais que são projetados especificamente para evitar isso: o uso de telas, o uso de grades e limitar a quantidade que uma janela pode abrir."

janela
Reprodução/Facebook
Autoridades investigam se janela já estava aberta antes de incidente ocorrer

Em nota, a Royal Caribben Cruises afirmou que não planeja mais comentar sobre o incidente por respeito à privacidade da família e chamou a morte da garota de “incidente trágico”. O Departamento de Segurança Pública também se pronunciou e afirmou que os oficiais investigam se a janela do navio já estava aberta antes do acontecido.

Leia também: Bebê de nove meses é espancado, estuprado e morto; padrasto é principal suspeito

Enquanto isso, o advogado pede acesso ao navio e às imagens das câmeras de segurança do cruzeiro. De acordo com a imprensa local, a família procura garantir que o que aconteceu com a bebê não se repita com outra família. O corpo da menina já passou por autópsia e foi entregue, nessa terça-feira (9), à funerária escolhida pelos pais.