Tamanho do texto

Nos comentários da postagem do papa no Twitter, seguidores mencionaram os diálogos envolvendo o ex-juiz Sergio Moro, divulgados pelo The Intercept

Papa Francisco
Divulgação/Agência Brasil/Matt Campbell
Papa Francisco costuma usar seu perfil no Twitter para mandar mensagens sobre questões sociais e políticas

O papa Francisco usou seu perfil oficial do Twitter, nesta quinta-feira (4), para postar um vídeo ressaltando a importância de os juízes serem imparciais e "isentos de favoritismos e das pressões que possam contaminar as decisões que devem tomar”.

Leia também: Lula recebe carta de apoio do Papa Francisco: "No fim, o bem vencerá o mal"

As imagens mostram a simulação de uma audiência em que o juiz precisa decidir e dar o veredicto entre dois casos. “Os juízes devem seguir o exemplo de Jesus, que nunca negocia a verdade. Rezemos para que todos aqueles que administram a Justiça operem com integridade e para que a injustiça que atravessa o mundo não tenha a última palavra”, afirmou o papa .

Nos comentários da postagem, muitos internautas mencionaram os diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil e que levantam suspeitas em relação à atividade do hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro , quando ainda era o responsável pelos processos da Lava Jato em Curitiba .

“Misericórdia Sergio Moro até o papa te mandando a real, no seu lugar eu dava um jeito de sumir”, comentou um dos usuários. “Moro, o papa Francisco trouxe uma palavrinha aqui pra você. Vem ver, corre!”, afirmou outro. Há ainda aqueles que não ficaram satisfeitos com a mensagem e pediram para que o pontífice “cuide do que está dentro da Igreja”.

Leia também: Papa faz apelo contra racismo e intolerância a imigrantes

Políticos da oposição ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) também compartilharam a mensagem do papa , como uma indireta a Moro. O ex-presidenciável Fernando Haddad (PT) retweetou a postagem e comentou: "Papa defende que juízes sejam isentos e como Jesus não negociem a verdade". A mensagem do pontífice também foi compartilhada pela ex-presidente  Dilma Houssef (PT) e por Guilherme Boulos, líder do MTST e candidato à Presidência pelo PSOL nas últimas eleições.