Tamanho do texto

O ex-presidente egípcio morreu nesta segunda-feira pouco depois de uma audiência em um tribunal no Cairo. Mohamed Mursi cumpria sentenças de prisão por incitar assassinatos de manifestantes e espionagem


Mohamed Mursi
Wikimedia Commons
Eleito após queda do ditador Hosni Mubarak em 2011, dirigente da Irmandade Muçulmana foi derrubado pelos militares em 2013

Mursi, uma das principais figuras da Irmandade Muçulmana , foi derrubado pelas forças armadas em 2013, então comandadas pelo general e atual presidente Abdel Fattah al-Sisi. Ele havia sido eleito democraticamente após protestos em massa de 2011.

Leia mais:  Tribunal anula pena de morte para Mohamed Mursi, presidente deposto no Egito

Desde então, centenas de islamistas, incluindo Mursi, foram condenados à morte em julgamentos em massa denunciados pela ONU. O ex-presidente do Egito foi condenado a um total de 45 anos de prisão por dois casos: incitação à violência contra os manifestantes no final de 2012 e espionagem a favor do Qatar.

Além disso, o ex-presidente era julgado em outros dois processos após a anulação de dois veredictos contra ele: uma sentença de morte e uma à prisão perpétua.

Organizações internacionais de direitos humanos acusam o regime de Sisi de ser ultrarepressivo e de explorar a Justiça para reprimir a oposição.

Leia mais:  E ntenda a crise que levou à queda do governo Mursi no Egito