Tamanho do texto

Michael Gove afirmou ter se drogado há 20 anos, quando trabalhava como jornalista: "Não acho que os erros do passado desqualifiquem alguém"

Michael Gove
Divulgação
Um dos candidatos a substituir Theresa May como primeiro-ministro no Reino Unido, Michael Gove admitiu ter usado cocaína

Um dos aspirantes a suceder Theresa May como primeiro-ministro no Reino Unido, o ministro do Meio Ambiente, Michael Gove, admitiu ter consumido cocaína em uma entrevista ao
jornal Daily Mail publicada neste sábado (8).

Leia também: Trump promete 'fenomenal acordo comercial' com Reino Unido após Brexit

Após reconhecer que havia errado, o ministro disse que cabe a seus colegas conservadores “decidir agora se (ele) pode ser líder”. Com 11 pré-candidatos na corrida para primeiro-ministro britânico, o processo deverá levar várias semanas, provavelmente até o fim de julho.

"Tomei drogas há mais de 20 anos", reconheceu o ministro pró-Brexit, hoje com 51 anos. "Naquela época, era um jovem jornalista. Mas não acho que os erros do passado desqualifiquem alguém", completou.

Gove não foi o único candidato a substituir May que reconheceu ter consumido drogas. O ministro de Desenvolvimento Internacional, Rory Stewart, declarou ter usado ópio durante
um casamento no Irã há 15 anos, em uma entrevista à SkyNews na semana passada. Ele lamentou este “erro estúpido”. Além deles, o ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, e
o ex-ministro encarregado pelo Brexit Dominic Raab confessaram ter fumado maconha.

Leia também: Trump almoça com a rainha e deve se encontrar com líder do partido do Brexit

May formalizou nesta sexta-feira (7) sua saída da liderança do Partido Conservador, abrindo caminho para sua sucessão na chefia do governo do Reino Unido. Ela continuará atuando
como premier enquanto os seus correligionários escolhem o novo líder partidário.

Ao entregar carta notificando oficialmente o partido da sua saída, a líder conservadora encerra quase três anos de extrema pressão. Ela falhou na sua principal missão, acertar
um acordo sobre os termos da saída britânica da União Europeia (UE), por não ter obtido a aprovação do Parlamento para o pacto negociado por ela a duras penas com Bruxelas. O
prazo do divórcio teve que ser prolongado duas vezes, e agora ele deve acontecer em 31 de outubro.

Leia também: Trump se encontra com May para conversas sobre Brexit e Huawei

As inscrições dos postulantes à liderança conservadora — e consequentemente a assumir o cargo de primeiro-ministro britânico — estão abertas até segunda-feira (10). Para se
candidatar, é necessário ter apoio de oito legisladores do partido. O critério é mais rigoroso do que em eleições anteriores, a fim de diminuir o número de candidatos na disputa.

    Leia tudo sobre: