Tamanho do texto

Governo enviará 1.500 soldados e sistema de mísseis ao Oriente Médio; Iranianos informaram que aumentou quatro vezes a capacidade de produção de urânio de baixo enriquecimento do país aumentando a tenção com os EUA

Trump
Reprodução/Twitter
Presidente subiu o tom nas tratativas com o Irã

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse na sexta-feira que a Casa Branca decidiu levar à frente uma venda bilionária de armamentos a seus aliados Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Jordânia , ignorando o Congresso. Segundo ele, o atraso na transação poderia aumentar o risco para os parceiros dos Estados Unidos em tempos de instabilidade nas relações com o Irã.

"Estas vendas vão apoiar nossos aliados, aumentar a estabilidade no Oriente Médio e ajudar estas nações a deterem e se defenderem da República Islâmica do Irã", disse Pompeo em nota, afirmando que a decisão de ignorar o Congresso seria um "evento isolado".

O preço estimado da venda é de US$8,1 bilhões. Em fevereiro, o Congresso aprovou uma resolução que impunha o fim do apoio militar dos EUA à coalizão militar liderada pela Arábia Saudita no Iêmen. A decisão dos congressistas foi considerada um desafio à política do presidente Donald Trump para o reino do Golfo, sobretudo após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, crítico ao regime, no consulado saudita em Istambul.

"Estas vendas vão apoiar nossos aliados, aumentar a estabilidade no Oriente Médio e ajudar estas nações a deterem e se defenderem da República Islâmica do Irã", disse Pompeo em nota, afirmando que a decisão de ignorar o Congresso seria um "evento isolado".

Leia também: Irã não cederá ao 'bullying' de outras potências, afirma Rouhani

O preço estimado da venda é de US$8,1 bilhões. Em fevereiro, o Congresso aprovou uma resolução que impunha o fim do apoio militar dos EUA à coalizão militar liderada pela Arábia Saudita no Iêmen. A decisão dos congressistas foi considerada um desafio à política do presidente Donald Trump para o reino do Golfo, sobretudo após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, crítico ao regime, no consulado saudita em Istambul.

Em comunicado, Shanahan disse que, além das tropas, serão enviados à região um sistema de mísseis Patriot, equipamentos de inteligência e monitoramento, uma aeronave para voos de reconhecimento e um esquadrão de aviões de guerra, para fortalecer as respostas aéreas.

O vice-chefe de relações internacionais do Parlamento russo, Vladimir Dzhabarov, disse à agência RIA que a Rússia poderá contestar o envio das tropas americanas no Conselho de Segurança da ONU .

De acordo com o New York Times, Trump decidiu enviar os militares após uma reunião com seus conselheiros de segurança nacional. No encontro, a Casa Branca concluiu que um pequeno aumento seria suficiente para lidar com quaisquer ameaças que o Irã ou grupos paramilitares aliados representem para os interesses americanos na região.

Leia também: Irã quadruplica capacidade de produção de urânio

Números divulgados pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos mostram que, em março, havia um total de 227.121 soldados e funcionários civis do órgão no exterior. A quantia não leva em conta os soldados presentes no Iraque e no Afeganistão.

Trump foi eleito em 2016 prometendo diminuir a presença militar americana no Oriente Médio. Na quarta-feira, a agência Reuters revelou que o Departamento de Defesa avaliava um pedido de comandantes militares americanos para enviar mais 5.000 soldados para a região.

    Leia tudo sobre: Donald Trump