Tamanho do texto

Em discurso durante conferência na Suíça, horas depois de May afirmar que deixará o cargo em junho

Boris Johnson
Reprodução/Twitter
Boris Johnson é um dos favoritos para assumir como primeiro-ministro

O parlamentar britânico Boris Johnson, um dos principais líderes da campanha do Brexit (a saída do Reino Unido da União Europeia), confirmou que vai concorrer ao cargo de primeiro-ministro após a renúncia de Theresa May, anunciada na manhã de hoje (24).

Leia também: AirBnB vai pagar translado dos corpos de brasileiros mortos no Chile

Em discurso durante conferência na Suíça, horas depois de May afirmar que deixará o cargo em junho, Johnson se dirigiu à premiê, dizendo que ela foi "paciente e estoica" ao enfrentar todas as dificuldades relacionadas à saída do Reino Unido da União Europeia.

O próximo premiê britânico também pode recuperar as negociações estagnadas com a UE sobre um acordo para o Brexit, afirmou Johnson.

"Um novo líder terá a oportunidade de fazer as coisas de modo diferente e ter o ímpeto de uma nova administração", acrescentou.

Entenda a queda de Theresa May

May
Reprodução/Twitter
Série de derrotas e problemas minaram posição de May no cargo

Depois de meses de impasse provocado pela saída do Reino Unido da União Europeia , a primeira-ministra britânica, Theresa May , anunciou nesta sexta-feira que deixará o cargo para que o Partido Conservador possa escolher um novo líder que será responsável por concretizar o Brexit , algo que ela não conseguiu fazer.

Leia também: Casal morto em tragédia no Chile começaria a construir a própria casa

Na terça-feira, May apresentou um plano de "última chance" para tentar recuperar o controle do processo de Brexit, incluindo um segundo referendo. A tentativa foi em vão: o texto foi mais uma vez alvo de críticas, tanto da parte da oposição trabalhista quanto pelos eurocéticos do seu partido, resultando assim na renúncia , na quarta-feira, de sua ministra das Relações com o Parlamento, Andrea Leadsom.

O projeto de lei, que Theresa May deveria fazer votar na semana de 3 de junho, não foi incluído no programa legislativo anunciado ontem pelo governo aos deputados.

O plano previa uma série de compromissos, incluindo, além da possibilidade de votar num segundo referendo, a continuação de uma união aduaneira temporária com a UE, numa tentativa de reunir a maioria dos deputados.

Mas, deixando de lado algumas promessas feitas no início do processo, Theresa May enfureceu os eurocéticos do seu campo, enquanto a saída de Andrea Leadson acabou de vez com a autoridade de May, que viu partir cerca de trinta membros de seu governo ao longo dos meses.

A tarefa de desfazer mais de 40 anos de laços com a UE não era fácil, ressalta Simon Usherwood, cientista político da Universidade de Surrey, entrevistado pela AFP.

"Tentei três vezes, não fui capaz", ela afirmou, em referência a suas tentativas de fazer o Parlamento aprovar o acordo de saída da União Europeia,  em pronunciamento gravado em frente à sua residência oficial em Londres, o número 10 de Downing Street.

May deverá permanecer no cargo até 7 de junho.

"Acreditei que era correto perseverar, inclusive quando as possibilidades de fracassar pareciam elevadas, mas agora me parece claro que, para o interesse do país, é melhor que um novo primeiro-ministro lidere este esforço", afirmou em um discurso para a imprensa.

Sua voz falhou quando terminou sua breve declaração proclamando seu "amor" por seu país, antes de virar as costas para as câmeras e voltar para casa.

May continuará no cargo para receber o presidente dos Estados Unidos, que realizará uma visita de Estado ao Reino Unido de 3 a 5 de junho.

O mandato de Theresa May, cheio de adversidades, críticas e até mesmo conspiração dentro de seu próprio partido, entrará para a História como um dos mais curtos na Grã-Bretanha desde a Segunda Guerra Mundial.

Boris Johnson é considerado um dos grandes favoritos para assumir a vaga de May.