Tamanho do texto

De acordo com relatos de agências, os hóspedes, em sua maioria de origem chinesa, foram evacuados; balanço atualizado foi divulgado neste domingo

Fachada Hotel
Reprodução/Internet
Hotel Continental Pearl foi atacado neste sábado no Paquistão

Pelo menos cinco pessoas morreram e seis se feriram após três homens abrirem fogo em um hotel cinco estrelas na cidade portuária de Gwadar, no Paquistão — centro de um projeto de infraestrutura bilionário da China, informou o Exército neste sábado.

Leia também: Governo Trump transfere fundos de guerra para construção de muro com México

Segundo o balanço atualizado, entre as vítimas há quatro funcionários do hotel e um militar. Já os feridos são quatro soldados e outros dois trabalhadores do local. Os três terroristas também foram mortos durante um cerco policial, informou um porta-voz dos militares do Paquistão. Já os hóspedes foram todos retirados em segurança.

"Forças de segurança isolaram o perímetro. Hóspedes retirados em segurança. Terroristas cercados pelas forças de segurança na escadaria que leva ao último andar. Operação Liberação está em curso", afirmou um porta-voz dos militares.

Mais cedo, o ministro provincial Ziaullah Langu disse à AFP que quatro homens haviam "aberto fogo" contra o hotel. "Há registros de algumas pessoas com ferimentos leves", informou.

O Exército de Libertação do Baluchistão, um grupo extremista que luta por mais autonomia da região do Baluchistão, no sudoeste paquistanês, reivindicou a autoria do ataque.

O Pearl Continental é o único hotel de luxo em Gwadar, que era uma vila de pescadores, mas agora recebe delegações empresariais do Paquistão ou estrangeiras, bem como diplomatas, quando visitam a cidade.

Ele fica isolado em um ponto alto, com vista para o porto de Gwadar, que é o principal projeto do Corredor Econômico China-Paquistão. O gigantesco projeto de infraestrutura visa a conectar a província chinesa ocidental de Xinjiang a Gwadar, no Mar da Arábia.

Há três semanas, um grupo separatista armado reivindicou a responsabilidade por um ataque às forças de segurança e navais no Balochistão, na província de Gwadar , que matou 14 pessoas.

Leia também: Governo Maduro anuncia reabertura da fronteira da Venezuela com Brasil