Tamanho do texto

Pentágono anunciou US$ 1,5 bilhão para construção de 128 km de barreiras fronteiriças; informação foi dada pelo secretário interino de Defesa dos EUA

Donald Trump
Reprodução/Twitter
Construção de muro na divisa com o México foi uma das promessas de campanha de Donald trump

O secretário interino de Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, aprovou transferência de US$ 1,5 bilhão para a construção de mais de 128 km do muro na fronteira com o México. Para esta obra, o Pentágono resolveu transferir US$ 600 milhões da poupança dedicada às forças de segurança afegãs, apoiadas pelo governo americano desde a queda do regime do Talibã, em 2001. 

Leia também: Governo Maduro anuncia reabertura da fronteira da Venezuela com Brasil

O novo investimento na divisa chega dois meses depois da transferência de US$ 1 bilhão, em março, de recursos que eram destinados a militares e foram deslocados à construção do muro de Trump. Na ocasião, parte dos congressistas americanos criticaram a manobra de custeio das obras — uma das principais promessas de campanha do presidente e cerne do embate com democratas que paralisou o governo por tempo recorde no início do ano.

"Os fundos foram deslocados de uma variada gama de fontes, incluindo poupanças de custeio, mudanças programáticas e revisões de requerimentos, e por isso terão mínimo impacto na preparação das forças (afegãs)", diz nota assinada por Shanahan .

Uma autoridade americana destacou à Reuters, sob condição de anonimato, que a transferência incluiria US$ 604 milhões dos recursos reservados até então para as tropas afegãs, que hoje lutam para assegurar o controle do território do país diante do crescente avanço do Talibã.

Derrubado em 2001, quando os EUA reagiram ao ataque da al-Qaeda nos EUA, o Talibã nunca esteve tão forte desde então: relatório do Inspetor Geral dos EUA para a Reconstrução do Afeganistão (Sigar) mostrou que, em outubro, o governo controlava ou influenciava apenas 53,8% do território, onde vivem 63,5% dos afegãos. O presidente Ashraf Ghani tem ressaltado que as forças afegãs sucumbirão sem o principal aliado.

Nesta quinta-feira (9), ao fim da sexta rodada de negociações entre autoridades americanas e talibãs, o enviado especial dos EUA, Zalmay Khalilzad, saudou no Twitter os "progressos regulares, embora lentos, sobre partes do acordo para colocar fim à guerra" no Afeganistão.

Leia também: Helicóptero atinge fios de alta voltagem após resgatar pessoa no mar; assista

Segundo Shanahan, as Forças Armadas dos EUA têm mais de quatro mil funcionários na fronteira, além de 19 aeronaves. No ano fiscal de 2019, Washington havia reservado US$ 4,9 bilhões em apoio às forças afegãs. A fonte da agência Reuters explicou que o dinheiro agora destinado ao muro foi retirado desta conta porque o governo encontrou recursos poupados em contratos. Outra autoridade americana destacou à agência que não é a primeira vez que o governo americano remaneja recursos da conta.

    Leia tudo sobre: Donald Trump