Tamanho do texto

Especialista diz que grupo de terrorismo tenta mobilizar extremistas para ações insurgentes e ataques que lhe mantenham proeminente na jihad

Líder ei
Reprodução/Twitter
Líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, apareceu em novo vídeo pela primeira vez em 5 anos

Cinco anos longe dos holofotes, o líder do Estado Islâmico , Abu Bakr al-Baghdadi, reapareceu em vídeo do grupo, no mês passado, para defender que o projeto terrorista está vivo — mesmo com o fim do califado que viera a público anunciar em 2014. Baghdadi tentou mobilizar seguidores para o que analistas veem como uma nova fase da organização.

Leia também: Estado Islâmico reivindica autoria de ataque que deixou 321 mortos no Sri Lanka

O período de transição do Estado Islâmico não significaria necessariamente menos força e se apoia na projeção de poder global via ação insurgente no Iraque e na Síria; capitalização de conflitos locais, como no Sri Lanka; e propagação de ideologia e tática num "califado virtual".

Para o jornalista Graeme Wood, autor do livro "A guerra do fim dos tempos — O Estado Islâmico e o mundo que ele quer", o EI se preparoupara o momento em que não teria território , mas poderia projetar seu poder globalmente.

Leia também: Suspeito de envolvimento com o Estado Islâmico é preso no interior de Minas

"Não é o fim do Estado Islâmico. Significa que a fase para a qual se preparou está em operação agora", disse Wood, que divide a nova etapa entre o esforço de retomada da insurgência no Iraque e na Síria e o apoio a ataques no exterior, planejados ou inspirados pelo grupo.

Leia também: Britânica associada ao Estado Islâmico quer voltar ao Reino Unido para dar à luz

Sem o califado, Estado Islâmico avançou para Afeganistão, Egito, Líbia, Sudeste da Ásia e África Ocidental. Em menor grau, para Somália, Iêmen, Península do Sinai e região do Sahel.

    Leia tudo sobre: estado islâmico