Tamanho do texto

Imagens da câmera de segurança mostram Crystal Smith agredindo aluna que estava no chão; após vídeo viralizar, professora foi demitida pela escola

Professora chuta aluna
Reprodução/Twitter
Imagens de uma câmera de segurança mostram a professora puxando e depois chutando aluna de cinco anos

Uma cena lamentável aconteceu em uma escola infantil de Kansas City, nos Estados Unidos, no último mês de fevereiro, mas ganhou notoriedade na última semana após a divulgação das imagens na internet. No vídeo, garavado por uma câmera de segurança, uma professora aparece chutando uma aluna de apenas cinco anos de idade que estava no chão.

No vídeo, a professora Crystal Smith, da Bluejacket-Flint Elementary School, aparece conversando com outra profissional da escola enquanto os alunos deixam a biblioteca. Ao notar que uma das alunas se escondia em um nicho de uma das estantes, ela puxa a menina para o chão e, segundos depois, a agride com um chute antes de segurá-la e sair da sala.

Leia também: Estudante atacou atirador e freou massacre em universidade dos EUA, diz polícia

Segundo informações da NBC, o episódio aconteceu no último dia 21 de fevereiro no subúrbio de Shawnee . Desde então, ela foi colocada em licença administrativa e demitida logo em seguida, no dia 15 de março.

As imagens só vieram à público depois que a mãe da criança, que preferiu não ser identificada, fez uma reclamação na diretoria da escola. De acordo com o relato dela, a menina chegou em casa com marcas no corpo e disse ter sido agredida por Crystal .

"Como mãe, confio que a escola cuidará da minha filha. Se eu não tivesse ido atrás de informações sobre este caso, ele não teria sido divulgado e a segurança de todos os alunos estaria em risco. Ninguém deveria ter que passar por uma experiência perturbadora como essa", disse a mãe da garota.

Indiciada pela família da aluna agredida, a professora será julgada e pode enfrentar uma condenação por agressão e maus tratos.

Leia também: Em depoimento, Julian Assange reforça pedido para não ser extraditado aos EUA