Tamanho do texto

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, havia afirmado que as Forças Armadas estavam ao seu lado, contra Maduro

Nicolás Maduro ao centro, marchando com militares nas ruas de Caracas
Divulgação/Ministério da Defesa da Venezuela
Maduro marchou ao lado de militares na tarde desta quinta-feira (2) para demonstrar apoio

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, marchou pelas ruas de Caracas ao lado de militares na tarde desta quinta-feira (2). O ato foi uma demonstração de que Maduro ainda conta com a lealdade de boa parte das Forças Armadas venezuelanos. Segundo o governo, 4.500 oficiais estavam presentes.

Leia também: Seis pontos para entender os últimos acontecimentos na Venezuela

Em um discurso realizado após a marcha, Nicolás Maduro conclamou os militares a combaterem “qualquer golpista”. “Sim, estamos um combate”, afirmou Maduro em seu discurso que foi transmitido pela TV.

O líder chavista repetiu o lema “leais sempre, traidores nunca”, e pediu que não haja medo frente à obrigação de desarmar as conspirações da oposição e dos Estados Unidos. O alto comando do exército reiterou sua lealdade a Maduro.

"Chegou a hora de combater, chegou a hora de dar um exemplo à história e ao mundo e dizer que na Venezuela há Forças Armadas consequentes, leais, coesas e unidas como nunca antes, derrotando intentonas golpistas de traidores que se vendem aos dólares de Washington", disse Maduro.

Leia também: Senadores defendem solução pacífica para crise na Venezuela

O ato aconteceu dois dias depois do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciar que os militares haviam declarado apoio ao opositor. Guaidó também convocou o povo para saírem às ruas, mas Nicolás Maduro desmentiu a mudança de lado das Forças Armadas e reprimiu as manifestações.