Tamanho do texto

De base militar, ao lado de López, líder opositor chama cidadãos às ruas; em resposta, governo diz que reprime tentativa de golpe de "reduzido grupo"

Juan Guaidó
Reprodução/Twitter
Autoproclamado presidente interino da Venezuela, Guaidó convocou o povo às ruas

Os venezuelanos amanheceram nesta terça-feira (30) com uma imagem impactante e o anúncio por parte do presidente da Assembleia Nacional (AN), Juan Guaidó , autoproclamado presidente interino da Venezuela, de que "hoje valentes soldados acudiram a nosso chamado".

Leia também: Governo Trump impõe sanções a chanceler da Venezuela e pressiona Maduro

Guaidó publicou no início da manhã um vídeo com militares e convidou cidadãos e soldados venezuelanos a sairem às ruas para participarem do que chamou de "fim definitivo" da usurpação de poder de Nicolás Maduro.

"Povo da Venezuela iniciou o fim da usurpação. Neste momento, me encontro com as principais unidades militares da nossa Força Armada, dando início à fase final da Operação Liberdade", escreveu o líder opositor em sua conta no Twitter.

As versões sobre uma tentativa de golpe de Estado são intensas. Em vídeo gravado na base militar de La Carlota, na capital venezuelana, rodeado de militares com a presença do líder do partido Vontade Popular (VP), Leopoldo López, que cumprime regime de prisão domiciliar, Guaidó convocou os venezuelanos a irem aos chamados comitês de ajuda de liberdade.

"O 1 de maio de começou hoje, o final definitivo da usurpação começou hoje", declarou Guaidó, em momentos em que muitos venezuelanos ainda dormiam.

A oposição já anunciara a organização de grandes protestos para esta quarta-feira. Interlocutores da oposição disseram ao GLOBO que "está em marcha um golpe de Estado e a fase final da Operação Liberdade".

No Twitter, Leopoldo López, detido em fevereiro de 2014, afirmou que "começou a fase definitiva para o fim da usurpação, a Operação Liberdade.

"Fui liberado por militares seguindo a ordem da Constituição e do presidente Guaidó. Estou na base de La Carlota. É hora de conquistar a liberdade e a fé", disse López.

Governo diz que reprime tentativa de golpe

Pela mesma rede social, Guaidó reforçou o pedido de mobilização nas ruas até que a Força Armada Nacional e os opositores "consolidassem o fim da usurpação", que, segundo ele, "já é irreversível". O líder opositor destacou que os militares "tomaram a decisão correta" e que gozam de apoio do povo venezuelano e da Constituição do país.

"Estão partindo as forças (da base) para conseguir o fim da usurpação", anunciou.

Também pelo Twitter, o ministro do Poder Popular para a Comunicação e a Informação da Venezuela, o chavista Jorge Rodríguez, informou que as forças do governo "estão enfrentando e desativando um reduzido grupo de tropas militares traidoras que se posicionaram em Altamira para promover um golpe de Estado contra a Constituição e a paz da República".

Leia também: Opositor de Maduro, deputado é preso em Caracas

"Convocamos o povo a se manter em alerta máximo para, junto à gloriosa Força Armada Nacional Bolivariana, derrotar a tentativa de golpe e preservar a paz. Venceremos", escreveu Rodríguez, o primeiro representante do chavismo a se pronunciar.