Gilber Caro
Reprodução/Twitter
Deputado foi preso em restaurante da cidade de Caracas

O deputado opositor Gilber Caro, membro da Assembléia Nacional (AN), foi preso por funcionários do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariano (Sebin) nas primeiras horas da madrugada desta sexta-feira em Caracas. A detenção foi denunciada à impresa local pela deputada Adriana Pichardo, do Vontade Popular, mesmo partido de Caro e de Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino em janeiro deste ano, com apoio da AN. 

Leia também: Extrema direita espanhola tem ajuda de contas falsas nas redes durante eleições

 Segundo ela, a prisão ocorreu em um restaurante de Las Mercedes, distrito de Caracas , enquanto o deputado jantava com alguns conhecidos. Além do opositor, os funcionários do Sebin também detiveram funcionários do local que teriam tentado evitar a prisão.

"O regime usurpador de Nicolás Maduro é responsável pela vida e integridade de Gilber Caro. Não temos a menor ideia das razões que o levaram à prisão. Extraoficialmente sabemos que ele estaria em El Helicoide", denunciou Pichardo.

É a segunda vez que Caro, deputado pelo estado de Miranda, é preso desde que foi eleito. A primeira ocorreu em de janeiro de 2017, quando foi acusado de cometer crimes de traição à pátria e roubo de efetivos das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (Fanb). O deputado passou um ano e meio na prisão antes de ser libertado em junho de 2018 com outros 39 opositores por ordem da Assembleia Nacional Constituinte, de maioria governista.

Leia também: Em cúpula, Xi defende Novas Rotas da Seda e tolerância zero contra corrupção

Em outubro, depois de solicitar refúgio na Colômbia, um juiz militar da Venezuela pediu desculpas a Caro por ordenar seu encarceramento.

Enquanto isso, os Estados Unidos continuam aumentando as sanções contra membros do governo. Mais cedo, o Departamento do Tesouro americano impôs sanções econômicas ao chanceler venezuelano, Jorge Arreaza.

"Os Estados Unidos não vão ficar apenas olhando o ilegítimo regime de Maduro privar o povo venezuelano de sua riqueza, sua humanidade e seu direito à democracia" disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, que prometeu continuar sua ofensiva contra o círculo do governo de Nicolás Maduro.

Leia também: Kim encerra visita à Rússia selando paz com Putin e acusando Trump de 'má fé'

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários