Tamanho do texto

Em discurso da campanha eleitoral, presidente do BJP comparou migrantes a 'cupins' e recebeu críticas de rivais e grupos de defesa dos direitos humanos

Narendra Modi
Divulgação
Líder do Partido do Povo Indiano (BJP), do primeiro-ministro Narendra Modi, falou em abater imigrantes muçulmanos na Índia

O líder do Partido do Povo Indiano (BJP), legenda do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, levou sua cruzada contra os imigrantes ilegais muçulmanos a novo nível ao prometer “atirá-los no Golfo de Bengala.

Leia também: Cerca de 900 milhões vão às urnas para escolher parlamentares na Índia

O presidente do partido, Amit Shah, voltou a se referir aos imigrantes ilegais como “cupins”, uma classificação que já havia lhe rendido condenações de grupos de defesa dos direitos humanos e uma menção no relatório anual de direitos humanos do Departamento de Estado dos Estados Unidos, em setembro do ano passado. 

"Infiltradores são como cupins no solo de Bengala (região no sul do país que concentra o maior número de imigrantes muçulmanos)", afirmou Shah na quinta-feira durante um comício no estado de Bengala Ocidental que deu início ao período eleitoral de 39 dias no país. "Um governo do Partido do Povo Indiano irá pegar os infiltrados um por um e atirá-los no Golfo de Bengala."

A maioria dos imigrantes ilegais na região vem do vizinho Bangladesh , um país de maioria muçulmana. Em seu discurso, Shah reafirmou a posição do BJP, que pretende dar cidadania indiana a imigrantes hindus, budistas, jainistas e sikhs oriundos de Bangladesh e do Paquistão.

A Índia já prepara a deportação de cerca de 40 mil muçulmanos rohingya que chegaram ao país após fugirem de Mianmar, e são considerados uma ameça à segurança nacional pelo governo.

Os comentários de Shah, braço-direito de Modi , geraram críticas de seu principal rival político, o Congresso Nacional Indiano, e de grupos de defesa das minorias do país que, no Twitter, compararam as palavras do presidente do BJP a promessas de limpeza étnica.

Leia também: Terremoto de magnitude 6,8 atinge Indonésia e levanta possibilidade de tsunami

“Essa declaração é um ataque direto contra a identidade e a integridade da nação como um Estado secular”, afirmou em comunicado o Fórum Cristão de Kerala que exigiu um pedido de desculpas de Shah. Um porta-voz do BJP se recusou a comentar o discurso do presidente do partido.

O porta-voz do Congresso, Sanjay Jha afirmou que as palavras de Shah foram “uma tentativa deliberada de polarizar eleitores de maneira sectária”.

"O modelo político do BJP é de aumentar a temperatura e manter a Índia num permanente estado de divisão religiosa", afirmou Jha.