Tamanho do texto

Líder da organização islâmica, Basem Naim reproduziu a postagem do filho de Bolsonaro e explicou os motivos de repudio com a viagem a Israel

undefined
Reprodução/Twitter
Basem Naim respondeu em nome do Hamas aos ataques de Flávio Bolsonaro


O tuíte do senador Flávio Bolsonaro provocando a organização islâmica Hamas não passou despercebido. Pela mesma rede social, o líder do grupo, Basem Naim, reproduziu a imagem da postagem do senador brasileiro e o chamou de “filho do presidente extremista brasileiro”.

Leia também: Internautas pedem 'misericórdia' do Hamas após tweet de Flávio Bolsonaro

Na última terça-feira (2), o filho de Jair Bolsonaro retuitou uma reportagem que dizia que o Hamas repudiava a viagem de seu pai a Israel. No comentário, o senador pelo Rio de Janeiro escreveu “quero que vocês se explodam”. Diante da repercussão, Flávio apagou minutos depois.

undefined
Reprodução/Twitter
Postagem de Basem Naim, líder do Hamas, atacou Flávio Bolsonaro


Um dia depois, Basem Naim mostrou que a postagem de Flávio chegou até o grupo e também usou o Twitter como resposta.

Leia também: “Quero que vocês se explodam”, escreve Flávio Bolsonaro em resposta ao Hamasl

“O filho do presidente extremista do Brasil, Flávio Bolsonaro , atacou o Hamas porque este rejeitou o apoio ilimitado à ocupação israelense do novo governo brasileiro, em contradição à posição de apoio histórica brasileira aos Direitos Palestinos”, escreveu Naim.

Em outro texto, o líder da organização explica os motivos que o levaram a repudiar a visita de Jair Bolsonaro a Israe l.

“[O apoio] está em clara contradição à lei internacional, que garante o direito das pessoas sob ocupação de resistir, com todas as ferramentas disponíveis, incluindo a resistência armada, o que o Hamas está fazendo. Estamos lutando por nosso direito de liberdade e independência, como todas as pessoas na Terra.”

Leia também: Palestinos classificam mudança da embaixada brasileira em Israel como provocação

Na nota enviada durante a viagem de Bolsonaro, o Hamas , que é apontado como uma entidade terrorista por Estados Unidos e Israel, afirmou que a visita não apenas contradiz a histórica atitude do povo brasileiro de apoio à causa palestina, mas também viola leis internacionais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.