Tamanho do texto

Presidente chileno Sebastián Piñera disse que o grupo respeitará o "diálogo, a democracia e os direitos humanos"; fórum foi criado para substituir Unasul

Líderes de 12 países latino americanos assinaram a criação do Prosul
Divulgação
Líderes de 12 países latino americanos assinaram a criação do Prosul

Líderes de 12 países latino-americanos assinaram, no início da tarde desta sexta-feira (22) a criação do Prosul, nova comunidade que deverá substituir a União das Nações Sul-Americanas (Unasul). O encontro aconteceu no Chile. 

Leia também: Bolsonaro participa de cúpula com outros seis líderes sul-americanos no Chile

O Prosul será formado por 12 países: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Costa Rica, Nicarágua, Panamá e República Dominicana.

“Queremos criar um fórum de diálogo”, disse o presidente chileno Sebastián Piñera, após a reunião entre os representantes. “Um fórum sem ideologias, sem burocracias, franco e direto com democracia e [preservação dos] direitos humanos”, acrescentou o presidente, informando que esses são “valores e princípios” do grupo.

Ainda de acordo com o líder chileno, o maior objetivo dos membros do grupo é "avançar juntos, melhorar a qualidade de vida e criar mais oportunidades para que todos os habitantes possam seguir com seus projetos de liberdade"

No encontro, Piñera destacou que a primeira ação do grupo deve ser uma análise sobre o que foi realizado e precisa ser aperfeiçoado. “[Temos de pensar] no desenvolvimento do nosso povo.” Ele lembrou que há cinco anos, os líderes da região não se reúnem em um fórum como o que ocorre hoje.

O presidente do Chile ressaltou que os objetivos do Prosul são o diálogo contínuo e a coordenação de ações conjuntas a para o desenvolvimento da região. Segundo Piñera, o segundo passo será a instituição de grupos de trabalho para elaborar as bases para a criação da comunidade comum.

Leia também: "Cada um que responda pelos seus atos", diz Bolsonaro sobre Temer

O presidente Jair Bolsonaro viajou ontem (21) para Santiago e deve ficar lá até sábado (23). Integram a comitiva brasileira os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), Ernesto Araújo (Relações Exteriores), além dos deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Hélio Lopes (PSL-RJ).  

Já no sábado (23), Bolsonaro participa de um café da manhã com cerca de 20 empresários, a convite da Sociedade de Fomento Fabril do Chile (Sofofa), uma das principais associações empresariais do país. Na sequência, ele se reúne, em encontro bilateral, com o líder chileno Sebástian Piñera, no Palácio La Moneda. Antes do encontro, deposita flores no monumento em homenagem ao libertador chileno, o general Bernardo O'Higgins. Após almoço da comitiva brasileira com o presidente Piñera, Bolsonaro e comitiva embarcam de volta ao Brasil.