Tamanho do texto

Países sul-americanos criarão um novo grupo para substituir a Unasul; segundo Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro discutirá o tema em visita ao Chile

Sede da Unasul em Quito, no Equador; Brasil já havia suspendido as atividades na Organização
Divulgação
Sede da Unasul em Quito, no Equador; Brasil já havia suspendido as atividades na Organização

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse nesta quarta-feira (20) que os países devem deixar a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) de forma conjunta. Nesta sexta-feira, além de Brasil e Chile, outros cinco países participarão de um encontro em Santiago, capital chilena, onde será feito o anúncio oficial da saída do grupo. Para substituir, eles criarão um novo projeto, o Prosul.

Leia também: Delegações estrangeiras abandonam reunião da ONU sobre Venezuela

“A ideia é que os países sul-americanos façam um movimento em conjunto [de sair da Unasul ]. Estamos pensando se é na visita ou logo depois. Mas a ideia é fazer em conjunto”, disse o chanceler em entrevista coletiva no Palácio Itamaraty.

O grupo que será esvaziado  já estava paralisado . O Prosul , por sua vez, já conta com a adesão de Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Costa Rica, Nicarágua, Panamá e República Dominicana. No encontro chileno, estarão presentes os presidentes da Argentina, da Colômbia, do Equador, do Paraguai, do Peru e do Brasil, além do Chile.

Para Araújo, a União de Nações Sul-Americanas é um organismo que “já nasceu com vícios de origem” e será substituído por um organismo “mais leve” que se dedique a iniciativas concretas entre os países da América do Sul. “É preciso que continue existindo um organismo de maneira leve, flexível e prática, que reflita o fato de que você tem uma região que precisa se integrar”, afirmou.

A Unasul foi criada em 2008 com o objetivo de melhorar a integração dos países da América do Sul. O projeto da organização foi muito encampado por Hugo Chávez , então presidente da Venezuela.  

O presidente Jair Bolsonaro vai participar em Santiago, no Chile, da Cúpula do Prosul que pretende marcar a retomada de negociações em torno da integração da região.

Leia também: EUA e Rússia disputam apoio na ONU para resolver situação da Venezuela

A proposta idealizada pelo presidente chileno, Sebastián Piñera, diferente da Unasul , tem formato mais enxuto e é menos onerosa a todos. Os presidentes devem anunciar o aval à nova composição ainda na sexta-feira, após a reunião. Em Santiago, o ministro das Relações Exteriores do Chile, Roberto Ampuero, destacou a parceria com o Brasil. "É um dos melhores aliados históricos do Chile com o qual temos relações extraordinárias e que nos damos historicamente bem."