Principal  suspeito do tiroteio no bonde elétrico em Utrecht, na Holanda é o turco Gokmen Tanis, que foi preso horas após o ataque
Divulgação/Polícia de Utrecht
Principal suspeito do tiroteio no bonde elétrico em Utrecht, na Holanda é o turco Gokmen Tanis, que foi preso horas após o ataque

A polícia de Utrecht, cidade na região central da Holanda, informou que um quarto suspeito de participar do ataque a tiros que matou três pessoas e feriu outras nove em um bonde elétrico na cidade foi presa nesta quarta-feira (20). No dia anterior, outras duas pessoas já haviam sido detidas.

Leia também: Ataque deixa três mortos e cinco feridos na Holanda; terrorismo não é descartado 

O principal suspeito do ataque é o turco Gokmen Tanis, de 37 anos, que já havia sido detido horas após o crime. A polícia da  Holanda  ainda tenta descobrir a motivação do crime e ainda não descartam a possibilidade de terrorismo. Um arma foi apreendida com Tanis. A investigação não informou qual seria a possível ligação dos dois novos detidos com o crime. 

"Até o momento, uma motivação terrorista está sendo cogitada seriamente", divulgou a procuradoria do caso, através das redes sociais. Um tio de Tanis , que também mora na Holanda, afastou a possibilidade, dizendo que o sobrinho não era adepto de ideais radicais.

Você viu?

O ataque aconteceu por volta das 10h45, no horário local (às 6h45 no horário de Brasília). De acordo com testemunhas, Tanis abriu fogo aleatoriamente dentro do bonde. Três pessoas, uma mulher de 19 anos e dois homens, de 28 e 49 anos morreram após o ataque. Outras nove pessoas ficaram feridas. Ainda segundo as testemunhas, o suspeito fugiu em um carro vermelho após o atentado.

De acordo com Jan van Zanen, prefeito de Utrecht , três vítimas estão em estado grave e ainda correm risco de morte, duas mulheres, de 20 e 21 anos, além de um homem de 74.

Após a nacionalidade do  atirador ter sido divulgada, há quem defenda que o ataque foi uma resposta ao atentado a muçulmanos, ocorrido na última sexta-feira, na Nova Zelândia, quando 50 fiéis foram mortos em duas mesquitas, em Christchurch. No entanto, também não há nenhuma informação oficial que confirme essa versão. 

Leia também: Após massacre, Nova Zelândia vai propor reforma urgente na lei sobre armas

Segundo testemunhas, o homem sacou uma arma e começou a disparar de forma aleatória. Ele fugiu dentro de um carro vermelho e seu paradeiro é desconhecido. Por causa do ataque, o governo da   Holanda   elevou o alerta de terrorismo ao nível máximo na província de Utrecht.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários