Tamanho do texto

Imediatamente após o ataque que deixou 50 mortos e 50 feridos em duas mesquitas, o governo neozelandês prometeu mudanças na lei sobre armas

Polícia busca pelos atiradores no dia do massacre na Nova Zelândia; atentado deixou 50 mortos e 50 feridos
Reprodução/Twitter
Polícia busca pelos atiradores no dia do massacre na Nova Zelândia; atentado deixou 50 mortos e 50 feridos

Muitos dos cidadãos neozelandeses que são donos de armas estão entregando, de forma voluntária, seus armamentos às autoridades da Nova Zelândia, nesta semana, após o ataque a tiros que deixou 50 mortos e 50 feridos na sexta-feira (15), em duas mesquitas da cidade de Christchurch.

Leia também: Ataques simultâneos a mesquitas deixam 50 mortos e 50 feridos na Nova Zelândia

Desde esta segunda-feira (18), a polícia da Nova Zelãndia tem pedido à população que entre em contato com a delegacia mais próxima e se informe sobre como transportar suas armas com segurança até os oficiais. 

Também ontem a primeira-ministra do país, Jacinda Ardern, reafirmou que pretende reformar a lei sobre armas no país e deu um prazo: ela disse que o governo vai propor tais alterações em dez dias. A declaração veio dois dias depois do ataque duplo a duas mesquitas

Cinquenta pessoas foram mortas quando Brenton Tarrant, nascido na Austrália, abriu fogo indiscriminadamente na cidade neozelandesa. Tarrant foi preso e acusado de homicídio. Durante o ataque, ele portava cinco armas legalmente registradas. Além dele, outras três pessoas foram detidas pela polícia local, mas não tiverem a identidade revelada.

Leia também: Atirador transmite ao vivo atentado em mesquita e se diz fascista em manifesto

As vítimas incluem homens, mulheres e crianças. Os nomes ainda não foram divulgados oficialmente por autoridades neozelandesas, apesar de algumas famílias terem confirmado as mortes à imprensa.

"Não compartilharemos informação [sobre os mortos] até que eles estejam formalmente identificados", disse o comissário da polícia neozelandesa, Mike Bush. De acordo com a primeira-ministra, um inquérito investigará os ataques terroristas de Christchurch . Bush, confirmou que o atirador agiu sozinho, mas pode ter tido apoio. 

Leia também: Após massacre, Nova Zelândia vai propor reforma urgente na lei sobre armas

O ataque reacendeu o movimento desarmamentista no país, que tem a posse de armas legalizada há alguns anos. Atualmente, estima-se que existam 1,1 milhão de armas de fogo na Nova Zelândia , uma proporção equivalente a uma arma para cada quatro habitantes do país. A estimativa inclui armamentos para caça. 

* Com informações da Agência Brasil.