Tamanho do texto

Maria Teresa Belandria afirmou que tem como prioridade ajudar os venezuelanos que estão na fronteira e necessitam de medicamentos

Juan Guaidó se autoproclamou presidente da venezuela no dia 23 de janeiro
Reprodução
Juan Guaidó se autoproclamou presidente da venezuela no dia 23 de janeiro

O governo brasileiro reconheceu, nesta segunda-feira (11), a advogada Maria Teresa Belandria como representante diplomática da Venezuela no País. Ela foi indicada pelo presidente interino, Juan Guaidó. 

Leia também: Inflação na Venezuela supera 2.600.000% em 12 meses, diz Assembleia Nacional

Maria Teresa está no Brasil nesta segunda-feira, acompanhada do coordenador de ajuda humanitária, Lester Toledo, que também foi reconhecido por Guaidó na Venezuela . Ela participou de uma cerimônia no Palácio do Itamaraty e falou com jornalistas após o evento. 

“Estamos avançando rapidamente não só para uma relação política plena, como uma relação fundamental para uma ajuda humanitária”, afirmou. Ela ainda ressaltou que a prioridade a partir de agora será ajudar venezuelanos que estão na fronteira e necessitam de medicamentos para câncer, coração e diálises. 

O cargo estava vago desde dezembro de 2017, quando Nicolás Maduro expulsou o embaixador do Brasil, Carlos Ruy Pereira, alegando que ele era uma "pessoa non grata". Na época, o Ministério das Relações Exteriores considerou a ordem como uma decisão de "caráter autoritário". 

Leia também: Nações se reúnem no Uruguai para encontrar solução para a crise na Venezuela

"O governo brasileiro tomou conhecimento de declaração de ex-chanceler venezuelana de que o governo desse país teria decidido declarar o embaixador do Brasil em Caracas 'persona non grata'. Caso confirmada, essa decisão demonstra, uma vez mais, o caráter autoritário da administração Nicolás Maduro e sua falta de disposição para qualquer tipo de diálogo. O Brasil aplicará as medidas de reciprocidade correspondentes", afirmava a nota. 

Mais de 40 países, incluindo o Brasil e os Estados Unidos, reconheceram Guaidó como líder do país. No entanto, 14 países ainda dão apoio a Maduro, entre eles estão Rússia e China. Recentemente, os Estados Unidos e a China apresentaram uma projetos com medidas para resolver a situação do país ao Conselho de Segurança da ONU e agora competem pelo apoio da organização. 

Leia também: Nações se reúnem no Uruguai para encontrar solução para a crise na Venezuela

Juan Guaidó se autodeclarou presidente interino da Venezuela no dia 23 de janeiro, em meio a onda de protestos contra Maduro. Ele é o principal opositor do ditador e líder do parlamento no País. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas