11 países do Grupo de Lima fizeram um apelo às Forças Armadas da Venezuela
Reprodução/ Itamaraty
11 países do Grupo de Lima fizeram um apelo às Forças Armadas da Venezuela

Onze países que integram o Grupo de Lima, incluindo o Brasil, pediram nessa segunda-feira (4) que as Forças Armadas da Venezuela apoiem o líder da oposição, Juan Guaidó, como presidente interino para uma transição de governo pacífica no país.

Leia também: Europeus se irritam com Maduro e reconhecem Guaidó como líder da Venezuela

"Pedimos às Forças Armadas da Venezuela que manifestem sua lealdade ao presidente interino. Também pedimos que não impeçam a entrada e o trânsito de ajuda humanitária aos venezuelanos", diz a declaração assinada por 11 dos 14 países que formam o Grupo de Lima,  sendo 13 latino-americanos e o Canadá.

A declaração foi divulgada após uma reunião de emergência de ministros do Exterior do grupo, em Ottawa, para tratar da crise política no país sul-americano. Guaidó se autodeclarou presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro, recebendo amplo apoio internacional. O opositor, no entanto, tem pouco controle sobre as instituições do Estado e o aparato governamental.

Nesta segunda-feira, foi a vez países da Europa perderem a paciência com Maduro e também declararem apoio a Guaidó. Reino Unido, França, Alemanha, Espanha foram alguns que reconheceram o presidente interino.

Você viu?

No documento, os ministros reiteraram seu reconhecimento e apoio a Guaidó e pediram o restabelecimento da democracia na Venezuela por meio de eleições. Os países condenaram também as violações de direitos humanos cometidas pelas forças de segurança.

O documento foi assinado por Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai e Peru. O México, que é a favor da mediação para resolver a crise na Venezuela , não participou da reunião.

Leia também:  Araújo faz reunião com opositores de Maduro para discutir crise na Venezuela

No encontro, o grupo não abordou, no entanto, a possibilidade de uma intervenção militar na Venezuela, de acordo com declarações do ministro do Reino Unido para a Europa e a América, Alan Duncan, que também participou.

A reunião do Grupo de Lima ocorreu no mesmo dia em que diversos países europeus reconheceram Guaidó como presidente interino do país. O reconhecimento se deu após Maduro se recusar a convocar novas eleições.

O Grupo de Lima foi criado em 2017, por iniciativa do governo do Peru, para denunciar a ruptura da ordem democrática na Venezuela, na ocasião da criação da polêmica Assembleia Constituinte e de uma onda de violentas manifestações que causaram dezenas de mortes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários