Tamanho do texto

Missionário cristão de 27 anos de idade contratou pescadores para levá-lo ilegalmente a arquipélago indiano onde tribo vive isolada há 60 mil anos

Americano John Allen Chau foi morto por aborígenes do arquipélago de Andaman e Nicobar
Reprodução/Instagram - @johnachau
Americano John Allen Chau foi morto por aborígenes do arquipélago de Andaman e Nicobar

O americano John Allen Chau foi recebido a flechadas ao desembarcar nesta semana no arquipélago de Andaman e Nicobar, território indiano cuja entrada é proibida. Aos 27 anos de idade, o jovem descrito pela família como alguém que "amava a Deus, a vida e ajudar aqueles que precisam", acabou morto pelo ataque dos aborígenes que vivem naquela região.

Leia também: Corpo de turista é achado em trilha em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro

De acordo com a organização Survival International, que defende a preservação do arquipélago, o local é habitado há mais de 60 mil anos pelos aborígenes da tribo da Sentinela, descendentes diretos das primeiras populações humanas surgidas na África.

"Esta tragédia jamais poderia ter ocorrido. A tribo da Sentinela já demonstrou várias e várias vezes que pretende permanecer isolada, e seus desejos devem ser respeitados", disse a organização, em comunicado. 

John Allen chegou às ilhas proibidas após pagar, na calada da noite, por transporte ilegal de pescadores, segundo reportou o jornal Times of India . Ele foi deixado em região próxima às ilhas proibidas e, de lá, remou sozinho em um caiaque até chegar ao local onde foi recebido a flechadas .

O turista americano foi tratado pela imprensa indiana como "um missionário que pretendia catequizar os indígenas". John Allen, no entanto, se dizia um aventureiro, e não alguém movido por uma missão religiosa. 

Segundo apuraram as autoridades policiais, John tinha "forte desejo" de conhecer os indígenas da tribo da Sentinela e, por isso, ele já havia visitado as ilhas outras vezes. O corpo do turista foi avistado pelo mesmo pescador que o levou até as ilhas (e que acabou preso), mas ainda não foi resgatado. Equipes atuam nas buscas do corpo por ar e pelo mar.

Leia também: Juiz ordena transferência de sete membros do PCC para presídios federais

Família aborígenes que mataram turista americano

Aborígenes da tribo da Sentinela vivem isolados há 60 mil anos e não possuem imunidade contra vírus comuns
Indian Coastguard/Survival
Aborígenes da tribo da Sentinela vivem isolados há 60 mil anos e não possuem imunidade contra vírus comuns

A família de John usou as redes sociais do turista para lamentar a morte do jovem de 27 anos e para destacar que perdoa os indígenas do arquipélago de Andaman e Nicobar, que pertence à Índia mas está situado no leste do golfo de Bengala.

"Ele era amado por nós como filho, irmão, tio e melhor amigo. Para os outros, ele era um missionário cristão, técnico de futebol e um montanhista. Ele amava Deus, a vida, ajudar aqueles que precisam e não tinha nada se não amor pelos moradores da Sentinela do Norte. Nós perdoamos àqueles que foram responsáveis pela morte de John", disse a família.

Leia também: Ladrão tenta roubar lutadora de MMA e acaba chorando no chão

A Survival International usou o episódio para cobrar ações das autoridades da Índia para proteger os aborígenes que, por viverem há muito tempo isolados, não possuem imunidade contra bactérias e vírus comuns, como gripes. "O governo deve reforçar a proteção da tribo da Sentinela e de suas ilhas para garantir a segurança tanto dos habitantes delas quanto de estrangeiros", cobrou a organização.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.