Tamanho do texto

Embarcação está a 800 metros de profundidade, em uma região de cânions, no Oceano Atlântico; localização deixou parentes dos tripulantes 'chocados'

Submarino argentino ARA San Juan, que levava 44 tripulantes a bordo, foi localizado nas primeiras horas deste sábado
Divulgação/Marinha da Argentina
Submarino argentino ARA San Juan, que levava 44 tripulantes a bordo, foi localizado nas primeiras horas deste sábado

Desaparecido há um ano nas águas do Oceano Atlântico, o submarino argentino ARA San Juan, que levava 44 tripulantes a bordo, foi localizado nas primeiras horas deste sábado (17). No entanto, a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico. As informações foram confirmadas pelo Ministério da Defesa e a Marinha da Argentina.

Leia também: CIA conclui que príncipe saudita encomendou morte de Jamal Khashoggi

Localizado em uma região de cânions, o submarino está a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia, onde havia sido montado o centro de operações durante a busca. O submarino argentino foi localizado primeiramente como um 'objeto' ao mar, segundo um relatório divulgado hoje pela companhia norte-americana Ocean Infinity.

Após ser confirmada a localização do submarino, a equipe da companhia trabalhou no rastreio e na investigação da área, com um veículo operado por um controle remoto. A companhia deve receber US$ 7,5 milhões pelo trabalho.

A confirmação sobre o paradeiro do submarino foi feita pela Marina Argentina, que divulgou a informação pelo Twitter nesta madrugada. "O Ministério da Defesa e a Armada da Argentina informam que, no dia de hoje, tendo sido investigado o ponto de interesse número 24 informado pela Ocean Infinity, mediante observação realizada com um ROV [veículo de observação remota] a 800 metros de profunidade, houve identificação positiva do Ara Jan Juan", publicou.

De acordo com Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a embarcação sofreu uma espécie de implosão no fundo do mar, sendo que a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado a de dentro do submarino.

Com isso, ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate do submarino. Segundo o Ministro da Defesa argentino, Oscar Aguad, a Marinha não possui equipamentos nem tecnologia para resgatar o submarino na profundidade em que ele se encontra.

Submarino argentino estava desaparecido há um ano

Familiares prestam homenagens a tripulantes do submarino argentino ARA San Juan, desaparecido no ano passado
Divulgação/Armada Argentina
Familiares prestam homenagens a tripulantes do submarino argentino ARA San Juan, desaparecido no ano passado

Depois de dois meses de buscas, a Ocean Infinity havia divulgado que abandonaria as tarefas em alto mar, nesta semana, e que retornaria apenas em fevereiro do ano que vem, porque a embarcação "Seabed Constructor" seguiria para a África do Sul para conserto.  No entanto, com as novas imagens encontradas, o navio retornou à área para continuar a busca.

Na última quinta-feira (15), um ano após o misterioso desaparecimento do ARA San Juan , os 44 tripulantes foram homenageados na cidade de Mar del Plata, a 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. O presidente argentino, Mauricio Macri, esteve presente na cerimônia, e assegurou que a busca pelo submarino não seria abandonada.

Leia também: Mais de 600 pessoas desapareceram e 66 morreram nos incêndios na Califórnia

"Não vamos sair, vamos continuar procurando até que possamos realmente encontrar. Vocês não estão sozinhos", disse o mandatário argentino aos familiares das vítimas durante discurso na Base Naval de Mar del Plata.

O submarino ARA San Juan teve sua última comunicação nas primeiras horas do dia 15 de novembro de 2017, quando o comandante informou aos seus superiores que a embarcação apresentava princípios de incêndio em um compartimento de baterias.

De acordo com a Armada Argentina , o problema foi resolvido e o submarino pôde seguir viagem até o destino final.

O desaparecimento do ARA San Juan também é um caso aberto na Justiça, o que é alvo de críticas pelos familiares das vítimas. Além disso, está em curso também uma investigação interna na Armada.

Recentemente, o chefe do Gabinete argentino, Marcos Peña, revelou que o submarino realizava não somente manobras de treinamento, mas também espionagem de navios britânicos.

De acordo com a mídia local, os familiares dos tripulantes do submarino argentino disseram estar "muito chocados" com a aparição da embarcação após um ano desaparecido no Oceano Atlântico. "É muito impactante. Graças a Deus eles estão em paz ", contou Marta Vallejos, irmã de Celso, um dos tripulantes da embarcação.

* Com informações da Agência Ansa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.