Tamanho do texto

Morto no último sábado (25), John McCain afirmou que os EUA se apequena quando "se esconde atrás de muros ao invés de derrubá-los"

Senador e veterano de guerra, John McCain morreu no sábado (25) no Arizona, Estados Unidos
Reprodução/Facebook John McCain
Senador e veterano de guerra, John McCain morreu no sábado (25) no Arizona, Estados Unidos

O senador John McCain, morto no sábado (25) em decorrência de um câncer no cérebro, deixou uma carta de despedida para os norte-americanos, na qual afirma que a grandeza dos Estados Unidos é enfraquecida quando se confunde "patriotismo com rivalidades tribais", uma crítica velada ao presidente Donald Trump.

Leia também: Morre John McCain, senador e ex-candidato à Presidência dos Estados Unidos

"Nós enfraquecemos a nossa grandeza quando confundimos patriotismo com rivalidades tribais que semearam ressentimento, ódio e violência em todos os cantos do globo", diz um trecho da carta de John McCain lida por Rick Davis, porta-voz da família do republicano, nesta segunda-feira (27).

De acordo com o texto, o enfraquecimento acontece "quando nos escondemos atrás de muros , em vez de derrubá-los, e quando duvidamos do poder dos nossos ideais, em vez de confiar neles para ser a grande força de mudança que sempre foram". 

A mensagem pode ser considerada uma crítica a Donald Trump , que tem como um de seus principais projetos a construção de um muro na fronteira com o México. Em sua carta póstuma, McCain também disse a seus compatriotas norte-americanos para não se desesperarem com as "dificuldades atuais". "Os americanos nunca desistem. Nós nunca nos rendemos.

"Nós nunca nos escondemos da história. Nós fazemos história", afirmou o senador. Além disso, ele se declarou uma das pessoas mais sortudas do mundo. "Tentei servir nosso país honradamente. Cometi erros, mas espero que meu amor pela América pese favoravelmente contra eles. Tenho observado muitas vezes que sou a pessoa mais sortuda do mundo. Assim me sinto mesmo enquanto me preparo para o fim da minha vida. Amei a minha vida, toda ela", acrescentou.

Leia também: Cerca de 600 mulheres são presas em protesto contra Donald Trump em Washington

Durante a leitura da carta, Davis também ressaltou que o presidente Trump não comparecerá ao funeral do senador, nem à homenagem póstuma que haverá para ele em Washington. "O presidente não estará, pelo que sabemos, no funeral. Isso é apenas um fato", disse.

Nesta segunda, Trump se manifestou sobre a morte e ordenou a baixar a meio mastro a bandeira dos Estados Unidos hasteada em todos os edifícios públicos do país. "Apesar de nossas diferenças políticas, respeito o serviço prestado pelo senador McCain a nosso país e, em sua honra, assinei uma ordem para hastear a meio mastro a bandeira dos Estados Unidos até o dia do seu enterro", declarou o republicano em um comunicado.

O corpo de John McCain será velado na assembleia Legislativa do Arizona na próxima quarta-feira (29). Dois dias depois, seguirá para o Capitólio. O vice-presidente, Mike Pence, será o representante do governo na cerimônia. O funeral ocorrerá no domingo (2), na Academia Naval em Annapolis, Maryland.

* Com informações da Ansa

Leia também: Para LeBron James, Trump usa o esporte para dividir negros e brancos nos EUA

    Leia tudo sobre: donald trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.