Tamanho do texto

Veterano de guerra, o republicano de 81 anos estava recluso desde dezembro em sua casa no Arizona; McCain foi vítima de câncer no cérebro

Senador e veterano de guerra, John McCain morreu neste sábado (25) no Arizona, Estados Unidos
Reprodução/Facebook John McCain
Senador e veterano de guerra, John McCain morreu neste sábado (25) no Arizona, Estados Unidos

John McCain, senador pelo estado do Arizona, ex-candidato à Presidência dos Estados Unidos e veterano da Guerra do Vietnã, morreu nesse sábado (25), vítima de um câncer no cérebro. Um dos políticos norte-americanos mais influentes de sua geração no país, ele estava afastado do cargo desde dezembro do ano passado, apesar de ter criticado até o fim da sua vida o também republicano Donald Trump.

O senador defendia “a ordem democrática liberal pós-guerra” e foi rival do democrata Barack Obama na disputa pela presidência, em 2008 . Segundo informações do The Guardian, o John McCain morreu às 16h28 locais (12h28 em Brasília) deste sábado. 

“Com o senador, na hora de sua morte, estava sua esposa Cindy e sua família. Até o momento em que faleceu, ele serviu aos Estados Unidos da América, felizmente por 60 anos”, diz a nota oficial em que foi anunciada a notícia.

Em meio a uma série de homenagens, o ex-presidente Barack Obama, que derrotou McCain na corrida eleitoral há 10 anos, disse que ele e seu rival compartilhavam “uma fidelidade aos ideais pelos quais gerações de americanos e imigrantes lutaram, marcharam e se sacrificaram”.

Obama acrescentou: “Poucos foram testados da maneira que John foi ou precisaram mostrar coragem como ele fez. Mas todos nós podemos aspirar a essa coragem de colocar o bem maior acima do nosso. No melhor de John, ele nos mostrou o que isso significa. E por isso estamos todos em dívida com ele”, escreveu o democrata.

Leia também: John McCain defende escolha de Sarah Palin como candidata à vice

Já o presidente Donald Trump, que lutou amargamente contra McCain e que, nas últimas semanas, se recusou a mencioná-lo, escreveu apenas um breve comunicado em sua página do Twitter. "Minhas profundas simpatias e respeito para a família do senador John McCain ", escreveu o presidente. "Nossos corações e orações estão com vocês!".

A morte de John McCain deixará um vazio em um partido republicano. Ele passou os últimos meses de sua vida com a segunda esposa, Cindy, em Sedona, no Arizona. Pela internet, continuou a dar opiniões e a fazer críticas a políticos e ao governo de Trump. Recentemente, publicou um livro “de despedida”, além de de um documentário da HBO que alguns apontaram como seu “próprio obituário”.