Caso do ex-espião russo Sergei Skripal lembra o de Litvinenko, cuja morte por envenenamento foi atribuída à Rússia
Reprodução/Daily Mail
Caso do ex-espião russo Sergei Skripal lembra o de Litvinenko, cuja morte por envenenamento foi atribuída à Rússia

A polícia britânica pode ter identificado os responsáveis pelo  envenenamento por agente nervoso do ex-espião russo Sergei Skripal e de sua filha. Oficiais acreditam que vários russos estão envolvidos na tentativa de assassinato do duplo agente e Yulia, em Salisbury, e procuram por mais um suspeito, segundo informou a agência de notícias Press Association. As informações são do The Guardian.

Uma fonte da Inteligência britânica afirmou que “investigadores acreditam ter identificado os suspeitos do ataque [contra o ex-espião russo ] com o agente nervoso Novichok por meio de imagens feitas por câmeras de segurança, e também ao cruzarem informações de pessoas que entraram no país durante certo período. Assim, eles estão certos de que os responsáveis são da Rússia”, revelou.

A notícia sobre os possíveis responsáveis pelo ataque com Novichok veio à tona nesta quinta-feira, após a morte de Dawn Sturgess, de 44 anos, que morreu no início do mês, apenas oito dias depois de ter contato com o agente nervoso. O companheiro de Dawn, Charlie Rowley, de 45, está internado em estado crítico também por envenenamento.

A polícia está trabalhando com a possibilidade de isso ter vindo do mesmo recipiente utilizado na tentativa de assassinato de Skripal, em março. Contudo, calcula-se que Sturgess tenha tido contato com uma quantia dez vezes maior que o ex-espião.

Investigadores ainda consideram que a substância estaria em um recipiente de perfume, encontrado pelo casal em um parque na cidade de Salisbury, e que Dawn Sturgess teria borrifado o líquido diretamente em sua pele. A polícia encontrou o frasco na casa dos dois, na cidade de Amesbury.

O parque onde o casal britânico no mês passado após a exposição do casal ao agente nervoso . teria encontrado o recipiente, além de outros locais em Salisbury e nas proximidades de Amesbury foram isolados pela polícia depois do incidente. As buscas por outras evidências podem durar meses, inclusive lixos são revistados como parte da varredura das áreas públicas. Segundo informaram oficiais, até agora 400 itens suspeitos foram recuperados.

Você viu?

Equipe de especialistas internacionais da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) foi chamada para verificar de maneira independente a substância que envenenou Sturgess e Rowley.

Eles já terminaram de coletar amostras que agora serão analisadas em dois laboratórios da OPCW antes que os resultados sejam reportados ao Reino Unido.

A Public Health England disse que o risco para o público permanece baixo, mas “aconselha fortemente” que ninguém pegue qualquer tipo objetos desconhecidos em locais públicos tais como seringas, agulhas, cosméticos ou similares, feitos de materiais diversos como metal, plástico ou vidro.

Rússia nega ligação com ataque a ex-espião

Acusado pela primeira-ministra britânica Theresa May de participação na tentativa de assassinato de Skripal, o governo da Rússia rejeitou o que chamou de “acusações infundadas” do Reino Unido sobre envenenamento por novichok. Na época da internação do ex-espião, May chegou a ameaçar não participar da Copa do Mundo.

Sergei Skripal, de 66 anos, ficou internado durante dois meses, depois de ser encontrado inconsciente em um banco público da cidade de Salisbury, no sul da Inglaterra, no dia 4 de março deste ano. Sua filha Yulia estava no mesmo estado clínico, sendo encontrada com o pai.

Leia também: May expulsa 23 diplomatas russos como retaliação após envenenamento de ex-espião

A repercussão do caso ainda misterioso do ex-espião russo trouxe à tona o envenenamento de outro espião russo, envenenado em novembro de 2006.  Alexander Litvinenko era um ex-oficial da agência de espionagem do FSB e morreu após beber uma xícara de chá com polônio radioativo. Ele teria encontrado seus assassinos em um bar no piso térreo do hotel Millennium, em Mayfair, no centro de Londres.   

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários