Os 100 anos de Nelson Mandela: líder sul-africano é homenageado por Barack Obama em evento em Joanesburgo
Reprodução/Twitter
Os 100 anos de Nelson Mandela: líder sul-africano é homenageado por Barack Obama em evento em Joanesburgo

O primeiro presidente negro da África do Sul, Nelson Mandela, que teve papel determinante no fim do sistema de segregação racial conhecido como "apartheid", completaria o seu centenário nesta quarta-feira (18). Em homenagem aos 100 anos de Nelson Mandela, uma conferência ocorreu em Joanesburgo, com a participação do primeiro presidente negro norte-americano: o democrata Barack Obama.

Leia também: 'Nelson Mandela implantou a cultura da morte', diz Marco Feliciano

Em seu discurso pelos 100 anos de Nelson Mandela , Obama chegou a se emocionar. Isso porque a luta de Mandela na África remete à vida do pai do democrata, que é do Quênia. Além disso, mesmo tomando posse do governo dos EUA dez anos depois do sul-africano deixar a presidência da África do Sul, Obama ainda teve que lidar com a desigualdade racial, durante seu governo.

"Deixe-me dizer no que eu acredito. Eu acredito na visão de Nelson Mandela . Eu acredito em uma visão compartilhada por Gandhi, King e Abraham Lincoln. Acredito em uma visão de igualdade, justiça, liberdade e democracia multirracial, construída com base na premissa de que todas as pessoas são criadas iguais e dotadas, pelo nosso criador, de certos direitos inalienáveis", disse Obama, em meio a aplausos. 

"E acredito que um mundo governado por tais princípios é possível e que pode alcançar mais paz e mais cooperação na busca de um bem comum. Isso é no que eu acredito", continuou. 

Em sua declaração, Barack Obama chegou a alfinetar a gestão do republicano Donald Trump, sem citar seu nome. A provocação se deu quando ele falou a respeito da época "incerta e estranha" na qual vivemos, segundo o democrata.

"Dados os tempos estranhos e incertos em que estamos – e eles são estranhos e incertos – as notícias nos trazem, a cada dia, mais e mais manchetes perturbadoras", afirmou. "E uma política de medo, ressentimento e retração começou a aparecer. É esse tipo de política que está agora em movimento, a um ritmo que teria parecido inimaginável há alguns anos", continuou. 

"A mídia social – antes vista como um mecanismo para promover o conhecimento, a compreensão e a solidariedade – provou ser igualmente eficaz na promoção do ódio, da paranoia e das teorias de propaganda e conspiração", afirmou o democrata.

Você viu?

Comemorações pelos 100 anos de Nelson Mandela

O discurso de Obama em Joanesburgo marcou o auge das celebrações do centenário do nascimento de Mandela. Porém, várias homenagens especiais serão realizadas no mundo inteiro, em homenagem à data.

Leia também: Coelho na orelha de Mandela revolta governo sul-africano

Uma extensa programação foi preparada em todo o mundo e inclui exposições, debates, iniciativas de incentivo à educação, ao voluntariado, publicação de livros, lançamento de filmes, músicas e concertos em tributo ao líder que dedicou sua vida à luta pela liberdade e abriu caminho para a consolidação da democracia no continente africano.

Por sua contribuição à luta antirracista, o 18 de julho foi transformado pelas Nações Unidas (ONU) no Mandela´s Day , o Dia Internacional Nelson Mandela – pela liberdade, justiça e democracia, uma forma de lembrar a dedicação e seus serviços à humanidade, com forte atuação também no enfrentamento ao vírus HIV e na mediação de conflitos.

Leia também: Winnie Mandela, militante da luta contra o apartheid, morre aos 81 anos

Apesar de ter sido chamado para discursar no evento que comemora os 100 anos de Nelson Mandela , Obama e o sul-africano se viram uma única vez em vida. O encontro aconteceu em 2005, em Washington. Apesar disso, ambos os líderes expressavam sua admiração mútua publicamente. 

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários