Tamanho do texto

"Isso não é problema meu e nem desculpa para infringir a lei", disse o policial que multou Kevin Rodrigues, que estava a caminho da capital da Guiana

Mesmo após serem parados pela polícia, o motorista, a vítima da cobra e um amigo conseguiram chegar ao hospital
Reprodução/Kevin Rodrigues via Metro
Mesmo após serem parados pela polícia, o motorista, a vítima da cobra e um amigo conseguiram chegar ao hospital

O jovem Kevin Rodrigues estava levando uma vítima de picada de cobra ao hospital quando seu carro foi parado pela polícia. Segundo informações do portal Metro , as autoridades multaram o condutor e quis impedir que o veículo continuasse sua viagem até o centro médico em Georgetown, capital da Guiana.

Leia também: Melania Trump critica medida dos EUA que separa crianças de pais

“Eu estou acelerando em rodovias péssimas, ela só consegue gritar e chorar e isso me deixa nervoso, estou rezando para conseguir levá-la [ao hospital]. Eu expliquei ao policial o que aconteceu e que ela precisava de soro antiofídico para a picada de cobra , então ele disse ‘isso não é problema meu e nem desculpa para infringir a lei'”, contou Rodrigues.

O motorista, Lizzy – a vítima de 19 anos – e um amigo estavam há horas dirigindo para tentar socorrê-la. Tudo começou em uma floresta afastada, onde a jovem foi picada por uma jararaca-do-norte, muito comum na região amazônica. O grupo, então, tentou procurar ajuda no posto médico mais próximo, mas teve que seguir viagem até a capital do país. 

E foi durante o trajeto que as autoridades rodoviárias multaram Rodrigues pelo excesso de velocidade. “A polícia da Guiana contrata verdadeiros babacas sem noção alguma ou senso de cuidado para o bem-estar de uma pessoa. A segurança pública não deveria estar em primeiro lugar?”, o homem desabafou.

Depois disso, eles finalmente conseguiram chegar até um hospital e a vida de Lizzy foi salva. A adolescente continua internada e o ‘criminoso’ de trânsito deve comparecer ao tribunal na próxima quarta-feira (20), com o objetivo de conseguir reverter a sua multa.

Preso por acelerar enquanto esposa dava à luz

Kak e Bridget Evans passaram por alguns apuros para que sua filha pudesse nascer
Reprodução/CNN
Kak e Bridget Evans passaram por alguns apuros para que sua filha pudesse nascer


Em um caso semelhante, ao entrar em trabalho de parto sete semanas antes do esperado, Bridget Evans precisou ser levada às pressas para o hospital e, preocupado com a saúde de sua esposa grávida, Zak Evans não pensou duas vezes antes de pisar fundo no acelerador enquanto dirigia pelas ruas de Rapides Parish, no estado de Louisiana.

O que não esperavam era que a infração de trânsito terminaria com o pai da família na  cadeia : afinal, no meio do caminho, policiais perceberam que o veículo estava acima do limite de velocidade e impediram o casal de prosseguir sua viagem. “Meu marido imediatamente começou a gritar ‘minha esposa está em trabalho de parto’, e eu avisei que o bebê ia nascer prematuro, mas mesmo assim, eles nos mandaram sair do carro”, Bridget contou ao portal KALB .

As autoridades chamaram uma ambulância para Bridget e decidiram prender Zak, que explicou que não teve tempo para checar o velocímetro: “Eu estava preocupado com ela e com a nossa bebê, que podia ter morrido”, disse. Porém, nada foi capaz de convencer as autoridades, e o futuro papai foi levado para a prisão .

Leia também: Papa Francisco diz que 'fake news' estão relacionadas diretamente com a ditadura

Ele perdeu o nascimento da filha, e por mais que ambos estejam felizes que sua filha, Letty Evans, é saudável, o casal não está nem um pouco conformado com a situação. Os oficiais, por outro lado, explicaram que o homem estava irritado e não quis cooperar. “Ele começou a nos ameaçar, e disse que iria atrás de todo mundo se algo acontecesse com sua esposa grávida”, Heath Landry, chefe da polícia, esclareceu. Não mais informações sobre o caso da picada de  cobra .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.