Tamanho do texto

Ele afirmou que deve sair do atual acordo multilateral e apresentar uma nova proposta ao Irã no próximo mês; o presidente francês não concorda com a saída de Trump, mas defendeu a negociação de um plano mais amplo

Donald Trump critica acordo estabelecido com Irã e deve propor novo pacto no próximo mês
Reprodução/CNN
Donald Trump critica acordo estabelecido com Irã e deve propor novo pacto no próximo mês

Após um encontro entre os presidentes Donald Trump, dos Estados Unidos, e Emmanuel Macron, da França, o norte-americano afirmou nesta terça-feira (24) que quer procurar um “terreno comum” com o país francês negociar um novo acordo nuclear com o Irã.

Leia também: EUA congela sanções contra Irã, mas dá ultimato sobre acordo nuclear

Desde que assumiu o mandato no ano passado, Trump afirmou querer romper o acordo nuclear firmado, que descreveu hoje como “insano” e “ridículo”. “Nunca deveria ter sido feito”, afirmou.

Depois da reunião amigável com direito a troca de beijos e andar de mãos dadas, Trump disse que os dois presidentes tiveram conversas muito importantes sobre o Irã durante a visita de Macron à Casa Branca, em Washington.

As críticas ao acordo não foram poupadas por parte do republicano, que suspendeu o programa nuclear iraniano dizendo que ele não aborda o programa de mísseis de Teerã. Depois disse que EUA e França estão começando a “entender um ao outro” quanto à necessidade de conter o Irã.

Por sua vez, Macron defendeu a permanência dos EUA no acordo, e afirmou que deseja trabalhar em novos termos para substituir o atual por um acordo que leve em conta as sugestões de Trump.

“Não devemos rasgar o documento sem ter nada no lugar. Não seria uma boa solução”, afirmou o francês, com cautela. No entanto, Macron defendeu a negociação de um possível plano mais amplo, incluindo o programa balístico e a influência do país iraniano no Oriente Médio.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani já deu o recado: “Se alguém trair o acordo, vai sofrer consequências severas.

Leia também: EUA congela sanções contra Irã, mas dá ultimato sobre acordo nuclear

Acordo

Mesmo assim, o presidente dos EUA já fez advertências sobre o que espera do Irã e afirmou que sairá do acordo no mês que vem. “Se eles reiniciarem seu programa nuclear, terão problemas maiores do que jamais tiveram antes”, disse Trump, durante o encontro com Macron.

Trump pode decidir no mês que vem se vai retomar sanções econômicas ao Irã, retirando-se efetivamente do acordo multilateral. Mas, no final de semana, ele também deverá tratar do tema com a chanceler alemã, Angela, Merkel que também terá uma agenda na Casa Branca na sexta-feira (27).

Macron começou a visita de três dias na segunda-feira (23) com um jantar. Na terça-feira, os dois tiveram encontros bilaterais onde também discutiram a balança comercial franco-americana e questões como o conflito na Síria. Nesta quarta-feira (25), ele visitará o Congresso.

Irã questiona Trump

Hassan Rohani questionou nesta quarta-feira o possível novo acordo que seria proposto pelo presidente norte-americano sobre o programa nuclear iraniano. “Junto com um líder de um país europeu, eles afirmam: ‘Nós queremos decidir sobre um acordo alcançado entre sete partes’. Para quê? Com que direito?”, indagou o presidente do Irã.

Em um discurso em Tabriz para a celebração da capital turística do mundo islâmico em 2018, o presidente iraniano criticou duramente o presidente dos EUA. “Não tem nenhuma experiência polícia. Não tem nenhuma experiência em leis. Não tem nenhuma experiência em tratados internacionais. Como pode um comerciante, um vendedor, um construtor de edifícios, um construtor de torres emitir julgamentos sobre assuntos internacionais?”.

Não é de hoje que Donald Trump critica o acordo firmado em julho de 2015 por seu antecessor Barack Obama. Desde que assumiu a presidência norte-americana o republicano discorda do tratado entre o Irã e o Grupo 5+1, que inclui a Alemanha, China, EUA, França, Reino Unido e Rússia. A União Europeia e a Rússia demonstraram estarem de acordo com os termos atuais do acordo e são à favor da permanência dos EUA no pacto.

Leia também: Irã tem onda de protestos contra o governo


    Leia tudo sobre: Donald Trump