Donald Trump quer forçar aliados europeus a revisarem acordo nuclear

Trump, contudo, tem sido pressionado por assessores e aliados europeus a manter o acordo nuclear tal como está
Reprodução/NBC
Trump, contudo, tem sido pressionado por assessores e aliados europeus a manter o acordo nuclear tal como está

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira (12) que não irá impor sanções contra o Irã no âmbito do acordo nuclear assinado em 2015, mantendo, assim, o tratado intacto.

Leia também: Trump chamou países da América Central de 'buracos de merda', diz jornal

No entanto, lançou um ultimato aos signitários europeus: se em 120 dias eles não se sentarem com o presidente para fazer uma revisão do acordo, os EUA podem se retirar do tratado.

Além disso, o republicano anunciou novas medidas contra 14 indivíduos e empresas acusados pelos EUA de "violações dos direitos humanos" nos protestos que tomaram as ruas do Irã entre o fim de 2017 e os primeiros dias de 2018. Uma dessas medidas atinge Sadeq Larijani, chefe do Judiciário iraniano e irmão de Ali Larijani, líder do parlamento no país.

Em resposta a Trump, lideranças do Irã disseram que estão preparados para qualquer eventualidade e que podem adotar represálias. Para o chanceler do Irã, Mohammad Zarif, “todo ato que mine o acordo é inaceitável”.

A Casa Branca também anunciou que essa é a “última vez” que as sanções permanecem congeladas caso não ocorram reformulações no acordo nuclear. No passado, Trump já havia se referido ao tratado como “o pior possível”.

Leia também: Donald Trump afirma que está aberto a conversar com a Coreia do Norte

Entre as alterações reclamadas pelos EUA está o aceite, por parte do Irã, de dar fim a atividades como o enriquecimento de urânio - elemento que auxilia no desenvolvimento de armas nucleares, mas que também pode ser usado para gerar energia. Trump também quer que o acordo se estenda ao programa de mísseis do governo iraniano, além de aumentar as inspeções em instalações tecnológicas no Irã.

O presidente estadunidense, contudo, tem sido pressionado por assessores próximos e aliados europeus a manter o acordo nuclear tal como está. Alemanha, China, França, Reino Unido, Rússia e União Europeia disseram nessa semana que o pacto cumpre sua função primordial, a de manter o programa nuclear iraniano sob controle, fazer o mundo mais seguro e evitar uma corrida armamentista na região.

* Com informações da Ansa

Leia também: Governo dos EUA pode expulsar 200 mil salvadorenhos do país

    Leia tudo sobre: donald trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.