Tamanho do texto

Macron, presidente da França, está em contato diário com Trump e Putin; para o francês, ocidente tem de intervir e atacar tropas de Assad na Síria

Bombardeios na Síria deixam rastros de morte, incluindo crianças e idosos
Reprodução/The Guardian
Bombardeios na Síria deixam rastros de morte, incluindo crianças e idosos

Emmanuel Macron , presidente francês, disse ter provas de que o regime sírio liderado por Bashar Assad lançou mão de armas químicas nos ataques ao enclave opositor de Duma. As imagens do ataque correram o mundo nos últimos dias, fazendo as nações europeias e os Estados Unidos subirem o tom contra o ditador sírio.

Leia também: Trump sustenta ameaça de ataque à Síria: 'pode ser muito em breve'

Sem entrar em detalhes, Macron afirmou ter “provas de que foram utilizadas armas químicas e que foi o regime quem as utilizou”. A declaração foi dada ao canal de televisão TF1.

Para o francês, é necessário que o ocidente intervenha no conflito e realize ataques contra as tropas de Assad. Um dos limites impostos ao ditador – a erradicação de armas químicas do regime – foi desrespeitado, e caberia aos líderes europeus e aos EUA impedir que Damasco volte a realizar ataques químicos.

Um ataque à Síria, contudo, representaria uma afronta ao presidente russo Vladmir Putin, apoiador do regime de Assad. Macron revelou que está em contato diário tanto com o líder russo quanto com o presidente estadunidense, Donald Trump, que afirmou nos últimos dias que uma ação militar americana na Síria está prestes a acontecer.

Diplomacia via twitter

Trump  mandou um recado na quarta-feira (11) provocando as autoridades da Rússia. A mensagem foi um aviso para que o governo russo esteja preparado para possíveis ataques dos americanos à Síria.

Leia também: Após suposto ataque químico que matou ao menos 70, rebeldes de rendem na Síria

Antes, a Rússia já havia advertido para o perigo de qualquer ação no país que possa "desestabilizar a já frágil situação da região". No entanto, Trump não se deixou abalar: “Prepare-se, Rússia”, escreveu em sua conta no Twitter.

Passadas algumas horas da ameaça, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, teceu comentários à imprensa a respeito das declarações do magnata republicano. Em grandes linhas, Peskov foi categórico e disse que o presidente Vladimir Putin não negocia por meio do Twitter. 

"Nós não participamos de diplomacia via Twitter", disse Peskov, segundo  a agência russa Intefax . "Nós apoiamos abordagens sérias. Nós continuamos a acreditar que é importante não tomar passos que podem prejudicar uma situação já frágil", concluiu o porta-voz de  Vladimir Putin 

Leia também: Donald Trump diz que não haverá acordo para acolher jovens imigrantes no EUA