Tamanho do texto

Stephanie passou a perseguir o docente Christopher por acreditar que ele havia zombado de sua vida sexual com o desenho animado “a virgem caracol”

Estudante Stephanie Christol passou a perseguir professor da King’s College por acreditar que ele estava zombando dela
Reprodução/Daily Mail
Estudante Stephanie Christol passou a perseguir professor da King’s College por acreditar que ele estava zombando dela

Uma mulher ameaçou cortar o pênis de seu professor, na Inglaterra, e disse que iria colocar o órgão 'no traseiro dele', porque ela se sentiu ofendida com a lista de conteúdos obrigatórios para as atividades na aula dele. 

De acordo com o Daily Mail , a estudante Stephanie Christol, 30 anos, passou a perseguir o professor da King’s College, Christopher Dillon, por acreditar que ele havia zombado de sua experiência sexual, ao sugerir que ela assistisse a um desenho animado chamado “a virgem caracol”. Ofendida com a ação, a britânica deu início a uma série de ameaças ao docente. 

Leia também: Policiais são demitidos após alegarem que ratos comeram meia tonelada de maconha

Segundo Dillon, ele não foi o responsável pelo envio da lista mas, mesmo assim, não foi poupado das perseguições de Stephanie. Na Corte de Magistrados de Westminster, o homem disse que não só ele, como a namorada dele, foram insultados pela estudante – que conseguiu evitar ir para prisão, na Inglaterra.

Ameaças ao professor

O relator do processo, Timothy Gascoyne condenou Christol a uma ordem comunitária de 12 meses e a proibiu de voltar a frequentar a faculdade onde estudava.

“Stephanie Christol não poderá mais entrar em contato com o docente Christopher Dillon e nem frequentar a King's College. Ela é uma jovem inteligente, já conseguiu o seu diploma, e está ciente de seus atos. Se voltar a procurá-lo irá para a cadeia”, deferiu no julgamento que ocorreu este mês.

Leia também: Jovem gera polêmica nas redes ao postar foto com arma e blusa de apoio a Trump

Dillon, que tinha ajudado a aluna com seu artigo sobre filmes da Primeira Guerra Mundial, realizou a denúncia em 2016. Porém, em setembro do ano passado, o docente voltou a receber mensagens assustadoras da mulher.

Entre elas, estavam cartas nas quais Stephanie afirmava que “o faria pedir desculpas a qualquer custo”.

“Eu fiquei zangada porque achei que ele estava rindo de mim por ser sexualmente inexperiente. Eu era um pouco paranoica e estava tentando lidar com minhas seguranças", disse a estudante.

"Eu quero ser uma roteirista e, inclusive, gostaria das cartas que enviei a Dillon de volta para começar um livro”, completou.

Leia também: 'Preciso pegar minhas cabeças', diz mulher presa após decapitar o namorado

Stephanie Christol foi condenada por assédio sem violência, e terá que cumprir uma ordem de restrição de dez anos em relação ao professor Christopher Dillon, bem como o pagamento de R$ 2 mil em custos judiciais.