Tamanho do texto

Desde ataque com gás tóxico que teria sido de autoria de Bashar al-Assad em Guta Oriental, o presidente norte-americano ameça lançar mísseis na Síria

Presidente Donald Trump terá de mostrar habilidade política para conseguir aprovar a reforma tributária no país
Divulgação/Facebook/Donald J. Trump
Presidente Donald Trump terá de mostrar habilidade política para conseguir aprovar a reforma tributária no país

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mandou um recado nesta quarta-feira (11) provocando as autoridades da Rússia. A mensagem foi um aviso para que o governo russo esteja preparado para possíveis ataques dos americanos à aliada de Vladimir Putin, Síria.

Leia também: Trump expulsa 60 diplomatas russos dos EUA; outros 17 países seguem o exemplo

Antes, a Rússia já havia advertido para o perigo de qualquer ação no país que possa "desestabilizar a já frágil situação da região". No entanto, Trump não se deixou abalar: “Prepare-se, Rússia”, escreveu em sua conta no Twitter.

“A Rússia promete derrubar todos e quaisquer mísseis lançados contra a Síria . Prepare-se, Rússia, porque eles estão chegando, agradáveis, novos e "inteligentes"! Vocês não deveriam ser parceiros de um animal que usa gás para matar o seu povo e gosta disso”, afirmou o presidente norte-americano.

O comentário faz uma referência ao ataque que aconteceu no último sábado (7), o qual a autoria foi atribuída ao governo de Bashar al-Assad, em Ghouta Oriental. O ocorrido matou e deixou feridas dezenas de pessoas em uma ação que teria utilizado um gás tóxico . Os governos sírio e russo negam que tenha havido ataque com o gás tóxico.

Ainda não se sabe se o ataque mencionado por Trump se referem a mísseis feitos pelos EUA, porém, depois que o suposto ataque com arma química em Duma, em Ghouta Oriental, no sábado, o país americano já havia ameaçado a Rússia com retribuição militar.

As possíveis ações que o republicano irá tomar estão sendo estudadas pela França e Reino Unido, que também insistiram na terça-feira (10), no Conselho de Segurança convocado de urgência, na necessidade de atuar, tendo em vista que Rússia não permite ações respaldadas por esse organismo da ONU.

A Rússia bloqueou, no Conselho de Segurança, resolução proposta pelos Estados Unidos para abrir investigação sobre os ataques químicos na Síria, aumentando a possibilidade de uma ação militar de Washington contra o regime de Damasco, capital síria.

Nesta quarta-feira, se esgota o prazo previsto pelo presidente americano para dar "uma resposta" contra o suposto ataque químico e Guta Oriental. A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu para ter acesso livre à cidade de Duma, que foi atingida.

Leia também: Em uma semana, ao menos 500 pessoas morreram em Ghouta, na Síria

Alerta às companhias aéreas

Diante da situação, a organização europeia para a segurança na navegação aérea Eurocontrol divulgou um aviso às companhias aéreas no Mediterrâneo Oriental, informando sobre possíveis ataques aéreos com mísseis na Síria, nas próximas 72 horas.

A organização ainda acrescenta, em nota divulgada em seu site, que as companhias aéreas devem levar esse alerta em conta ao planejar operações de voo nessa área do Mediterrâneo.

Para essa decisão, estão sendo consultados a França e o Reino Unido, que também insistiram ontem, no Conselho de Segurança convocado de urgência, na necessidade de atuar, uma vez que a Rússia não permite ações respaldadas por esse organismo da ONU.

A Rússia bloqueou, no Conselho de Segurança, resolução proposta pelos Estados Unidos para abrir investigação sobre os ataques químicos na Síria, aumentando a possibilidade de uma ação militar de Washington contra o regime de Damasco.

Primeiro ataque

Há um ano, os EUA fez, pela primeira vez, um ataque à Síria. Entenda o que o conflito entre as duas nações gerou e como a situação chegou ao momento atual.




Leia também: Trump liga para Putin a fim de parabenizá-lo pela reeleição e marcar encontro

    Leia tudo sobre: Donald Trump