Pelo menos 100 morreram no mesmo ataque realizado na segunda-feira, em Ghouta Oriental, na Síria
Reprodução/CNN
Pelo menos 100 morreram no mesmo ataque realizado na segunda-feira, em Ghouta Oriental, na Síria

Mais de mil crianças foram mortas ou feridas nos primeiros dois meses de 2018 na Síria, segundo divulgou a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), nesta terça-feira (6). A estatística alarmante revela as consequências dos ataques constantes sofridos em regiões como da cidade Ghouta Oriental, onde vivem quase 135 mil menores de idade.  

Leia também: Em uma semana, ao menos 500 pessoas morreram em Ghouta, na Síria

Ainda de acordo com a Unicef, no total, são 342 crianças mortas e 803 feridas na Síria apenas nos meses de janeiro e fevereiro deste ano. Dessas, pelo menos 100 morreram no mesmo ataque realizado em Ghouta Oriental, subúrbio de Damasco, na segunda-feira (5), marcando o dia mais sangrento na guerra do país, desde que o Conselho de Segurança da ONU anunciou cessar-fogo, no dia 24 de fevereiro.

Antes disso, no dia 18 de fevereiro, pelo menos 600 pessoas foram mortas, e mais de duas mil ficaram feridas durante ofensiva aérea e terrestre realizada pelo governo de Bashar al-Assad na região.

Leia também: ONU responsabiliza governo da Síria por massacre com arma química

Você viu?

Bombardeio em Ghouta, na Síria, deixou mais de 100 mortos, sendo 20 crianças e 14 mulheres
Reprodução/The Guardian
Bombardeio em Ghouta, na Síria, deixou mais de 100 mortos, sendo 20 crianças e 14 mulheres

Com tamanha violência, se esconder em abrigos subterrâneos já se tornou rotina no país, conforme afirma funcionários da Unicef ao canal “CNN”. Em imagens divulgadas por organizações e ativistas locais, é possível ver a situação degradante de tais “esconderijos”, mal equipados e imundos.

Comboio de ajuda em Ghouta

Nessa segunda-feira, um comboio carregado de alimentos e suprimentos médicos entrou na região rebelde de Ghouta Oriental pela primeira vez desde que o governo sírio lançou uma ofensiva mortal na região, há duas semanas.

Leia também: Ataque aéreo do governo deixa mais de 100 mortos e ao menos 500 feridos na Síria

O caminhão chegou a entrar na área dominada por rebeldes, mas teve de se retirar antes de terminar de descarregar todo o suprimento, segundo divulgou a agência das Nações Unidas para refugiados sírios. “Nós entregamos o máximo que pudermos em meio ao bombardeio. Os civis estão presos em uma situação trágica”, aponta um funcionário da ONU.

Ataques realizados pelo governo da Síria deixaram mais de 500 mortos em apenas uma semana de 2018
Reprodução
Ataques realizados pelo governo da Síria deixaram mais de 500 mortos em apenas uma semana de 2018

O governo de Assad teria tentado impedir o transporte da maioria dos suprimentos médicos pelo comboio, de acordo com Linda Tom, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários na Síria. No domingo, as forças governamentais assumiram o controle de várias aldeias dentro de Ghouta Oriental, o que representa uma grande mudança na região. A cidade é um dos últimos grandes enclaves rebeldes no país, que vem sendo devastada pela guerra há quase sete anos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários