Mauricio Macri recebeu nesta terça, pela primeira vez, familiares das vítimas do desaparecimento do submarino
Reprodução/Twitter
Mauricio Macri recebeu nesta terça, pela primeira vez, familiares das vítimas do desaparecimento do submarino

Aquele submarino argentino que sumiu em novembro do ano passado, com 44 tripulantes a bordo, continua desaparecido. Agora, para estimular as buscas da embarcação, o governo da Argentina decidiu oferecer uma recompensa milionária para quem encontrá-lo.

Leia também: Argentina reconhece morte dos 44 tripulantes de submarino desaparecido

Desaparecido desde o dia 15 de novembro, o submarino ARA San Tuan, agora vale US$ 4 milhões – o que equivale a R$ 13 milhões.

O anúncio da recompensa foi feito nesta terça-feira (6), depois que o presidente Mauricio Macri recebeu, pela primeira vez, familiares das vítimas do sumiço da embarcação. 

"O chefe de Estado anunciou que o Governo recompensará com um montante milionário quem der a localização do navio da Armada Argentina", diz uma nota oficial. A estimativa de valor foi feita pela imprensa local.

Leia também: Número de mortos após terremoto em Taiwan sobe para 4; 145 estão desaparecidos

Você viu?

"O presidente tem um grande compromisso com a investigação, ele está comprometido em averiguar e com que se faça justiça", declarou o ministro da Defesa do país, Oscar Aguad.

Desaparecimento

O ARA San Juan, das forças da Marinha da Argentina , partiu de Ushuaia, no extremo sul do país, rumo a Mar del Plata, a 400 quilômetros da capital, Buenos Aires no dia 13 de novembro. Quando sumiu, navegava a 430 quilômetros de distância da costa argentina, na altura do golfo San Jorge, entre as províncias Chabut e Santa Cruz.

No dia 23 de novembro, Balbi confirmou que "foi registrado um evento anômalo, curto, violento e não nuclear, equivalente a uma explosão". No dia 28, a mídia argentina reportou que tripulantes do ARA San Juan relataram problemas envolvendo entrada de água no equipamento e curto-circuito nas baterias horas antes de sumir dos radares.

No dia 24, Luis Tagliapietra, pai de Alejandro Damián, um dos  tripulantes  , afirmou que depois da notícia de que o barulho de uma explosão pode estar ligado ao desparecimento do ARA San Juan, um dos chefes do seu filho foi prestar condolências a ele , confirmando as mortes dos passageiros.

Tagliapietra afirmou ainda que fez perguntas sobre quando e como pode ter ocorrido a explosão e se a embarcação havia seguido diretamente para o local de destino. Segundo ele, o chefe do seu filho afirmou que tudo estava em perfeitas condições e que o submarino estava seguindo o trajeto correto.

Leia também: Após 173 denúncias de abuso sexual em 2017, Cambridge admite ter “problema”

* Com informações da Agência Ansa.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários