Tamanho do texto

Atitude do governo espanhol foi uma retaliação ao país venezuelano que expulsou o representante da Espanha em Caracas, na quinta-feira (25)

Punições da União Europeia contra a Venezuela e seus funcionários vem sendo tomadas desde 2017
Divulgação/Governo da Venezuela - 30.7.2017
Punições da União Europeia contra a Venezuela e seus funcionários vem sendo tomadas desde 2017

O governo espanhol declarou, nesta sexta-feira (26), o embaixador venezuelano na Espanha, Mario Isea, "persona non grata" em "reciprocidade rígida" a decisão do regime de Nicolás Maduro de expulsar o embaixador espanhol em Caracas. A informação foi confirmada pelo porta-voz do governo, Íñigo Méndez de Vigo.

Leia também: Itamaraty dá o troco e anuncia expulsão de representante venezuelano

Apesar da decisão tomada pelo governo espanhol, Méndez de Vigo reforçou que a Espanha quer manter relações com a Venezuela com base na "amizade, respeito e cooperação", embora tenha constatado que as decisões tomadas pelas autoridades venezuelanas "tornam difícil verifique esse desejo ".

Na quinta-feira (25), o governo venezuelano expulsou do país o embaixador da Espanha, Jesús Silva Fernández. A medida foi tomada após o país venezuelano receber sanções da União Europeia (EU). Em nota, o governo do presidente Nicolás Maduro explicou que a decisão foi uma resposta às "contínuas agressões e repetidas interferências nos assuntos internos do nosso país" pela Espanha.

Leia também: 'América em 1º lugar não significa o isolamento dos EUA', diz Trump em Davos

A Venezuela acusa o premier da Espanha, Mariano Rajoy, de ser um dos principais responsáveis pelas medidas contra o país. Essa não é a primeira vez em que o governo venezuelano expulsa embaixadores de outros países. Em 2017, o governo expulsou os representantes do Brasil e do Canadá, depois de adotarem sanções contra funcionários do alto escalão de Maduro.

Sanções

A UE divulgou sanções contra sete pessoas do governo de Maduro, alegando que todos são suspeitos de abusos de direitos humanos e da democracia. A Espanha foi uma das grandes promotoras das medidas impostas.

Leia também: Tiroteio em escola de Kentucky, nos EUA, deixa ao menos dois mortos e 19 feridos

As punições contra Nicolás  Maduro e seus funcionários vem sendo tomadas desde 2017, quando os Estados Unidos resolveu proibir a Venezuela e a petroleira PDVSA de negociarem suas dívidas. Diante disso, Maduro classificou as medidas como "um erro lamentável". Além disso, o líder venezuelano atacou Rajoy, em um comício em Caracas, pedindo para que o premier espanhol "fique de quatro", pois o "povo vai te espancar".

 * Com informações da Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.