Tamanho do texto

A possível posse de Puigdemont, que, segundo se cogitava, contaria inclusive com um discurso via Skype, agora parece longe de ocorrer

Puigdemont é investigado pela justiça por supostos crimes cometidos nos protestos a favor da independência da região
Twitter/Carles Puigdemont/Reprodução
Puigdemont é investigado pela justiça por supostos crimes cometidos nos protestos a favor da independência da região

Em um comunicado à imprensa nesta segunda-feira (15), Mariano Rajoy , o primeiro-ministro da Espanha, afirmou que o governo central do país irá manter o controle sobre a região autônoma da Catalunha caso os parlamentares de lá decidam reeleger Carles Puigdemont ao cargo de governador.

Leia também: Separatistas querem que Puigdemont reassuma governo da Catalunha

Desde o dia 31 de outubro do ano passado, Puigdemont , líder do partido independentista Juntos pela Catalunha, encontra-se em auto-exílio na Bélgica. Isso porque, após ter declarado a independência da região enquanto era governador de lá, decisão da qual acabou voltando atrás, uma ordem de prisão preventiva foi expedida contra ele e outros congressistas de seu partido.

Eles são investigado pela justiça espanhola por supostos crimes cometidos nos protestos a favor da independência da região. Cinco deputados eleitos estão exilados na Bélgica e outros três foram presos na Espanha.

Para Rajoy, seria “absurdo” reconduzir ao cargo “um fugitivo em Bruxelas”. Na semana passada, lideranças dos principais partidos separatistas, que contam com a maioria no congresso regional, debatiam estratégias para alçar Puigdemont à chefia catalã ainda que a distância. Caso retorne à Espanha, o líder separatista corre o risco de ser preso.

Leia também: Coreia do Norte pede que Seul abandone manobras militares ao lado dos EUA

Depois da fracassada tentativa de independência, ancorada em um referendo tido como ilegal pelo governo espanhol, Mariano Rajoy destituiu os políticos envolvidos no processo e suspendeu temporariamente a autonomia da região.

Em seguida, convocou novas eleições, que foram realizadas no dia 21 de dezembro de 2017. Contrariando as previsões do mandatário espanhol, contudo, os partidos separatistas obtiveram novamente a maioria no congresso. Com isso, ganharam também o direito de indicar o próximo líder do governo catalão.

A possível posse de Puigdemont ao governo da Catalunha, que, segundo se cogitava, contaria inclusive com um discurso via Skype, agora parece longe de ocorrer. Na última quinta-feira (11), o executivo espanhol apresentou um relatório em que afirmou não ser possível a posse de um governador que se encontre em exílio.

Leia também: Após fala polêmica sobre imigrantes, Donald Trump diz não ser racista

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.