Tamanho do texto

Parlamentar e líder religioso Dan Johnson foi denunciado por abuso de uma adolescente de 17 anos ocorrido em 2013; investigadores falam em suicídio

Deputado republicano Dan Johnson posou para foto ao lado do presidente americano, Donald Trump
Arquivo pessoal/Dan Johnson
Deputado republicano Dan Johnson posou para foto ao lado do presidente americano, Donald Trump

O deputado republicano Dan Johnson, do estado americano de Kentucky, foi encontrado morto com um tiro na cabeça nesta quinta-feira (14) na beira de uma estrada na cidade de Mount Washington, no leste dos Estados Unidos. As investigações iniciais indicam que ele cometeu suicídio.

Leia também: Vaticano desmente que papa Francisco use WhatsApp para falar com fiéis

A morte de Johnson ocorre apenas dois dias após o político ter sido denunciado por abuso sexual pelo Kentucky Center for Investigative Report. O caso veio a público após uma jovem de 21 anos acusar o parlamentar de tê-la molestado em 2013, quando ela tinha apenas 17 anos de idade, no porão de sua casa.

À época do episódo, as autoridades locais chegaram a investigar o caso, mas acabaram arquivando as acusações contra o republicano, que também atuava como líder religioso.

Na terça-feira (12), um dia após a denúncia, Johnson disse que a notícia era "totalmente falsa" e que era uma estratégia para minar a credibilidade do Partido Republicano que, assim como os Democratas, têm diversos parlamentares acusados de estupro e assédio sexual.

Leia também: "Acabou essa desgraça": convite de formatura "sincero" viraliza nas redes

Atividades no Facebook

Antes de ser encontrado morto, Johnson publicou uma mensagem em sua conta do Facebook afirmando que "não poderia suportar mais". "Isso venceu a minha existência, mas o paraíso é o meu lar", escreveu o parlamentar.

"Eu diria que se trata, possivelmente, de suicídio", disse o xerife do condado de Bullitt, Donnie Tinnell a uma rede de televisão local. O policial acrescentou que será realizado exame de autópsia para confirmar se foi, de fato, o próprio deputado que puxou o gatilho.

O jornal New York Times destacou em sua reportagem sobre o caso que Dan Johnson exerceu atividade parlamentar por menos de um ano, tendo sido eleito nas eleições do ano passado. Durante sua campanha, ele chegou a ser criticado por lideranças do próprio partido Republicano por conta de suas postagens "inflamáveis" no Facebook, incluindo um que atacava com xingamentos os adeptos do islamismo e Allah.

Leia também: Papai Noel é apedrejado por crianças em SP após doces de trenó acabarem

*Com informações da agência Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.