Tamanho do texto

Jovem nascido em Bangladesh dedicou o atentado frustrado desta segunda ao grupo Estado Islâmico; Akayed Ullah foi indiciado por apoio ao terrorismo

Terrorista carregava uma bomba de fabricação caseira, mas o dispositivo foi acidentalmente acionado antes da hora
Reprodução/NBC News
Terrorista carregava uma bomba de fabricação caseira, mas o dispositivo foi acidentalmente acionado antes da hora

O jovem Akayed Ullah, de 27 anos, nascido em Bangladesh, foi formalmente indiciado nos EUA por apoio ao terrorismo, nesta terça-feira (12), um dia após ser preso pelas autoridades norte-americanas como o principal suspeito do atentado terrorista frustrado ocorrido em Manhattan.

Leia também: Explosão em centro de distribuição de gás deixa um morto e feridos na Áustria

No documento de acusação contra o jovem, é citada uma publicação feita, logo antes do ataque, em sua página pessoal do Facebook, onde diz que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, "fracassou em proteger o seu país". Além disso, o terrorista afirmou, na mesma rede social, que agia em nome do Estado Islâmico.

"Acredito que serei entendido pelos membros e apoiantes do Estado Islâmico ", escreveu Ullah.

O ataque aconteceu na entrada do maior terminal de ônibus do mundo, o Port Autority, localizado em Nova York.

Na ocasião, Ullah carregava uma bomba de fabricação caseira em seu tórax, mas o dispositivo foi acidentalmente acionado antes da hora prevista e falhou na explosão. Com isso, o ataque não deixou vítimas fatais, apenas três feridos, além do próprio terrorista, que foi levado a um hospital.

O jovem vive nos Estados Unidos desde 2011. Até o momento, as autoridades do seu país natal não encontraram ligação entre Ullah e organizações fundamentalistas islâmicas, além dessas publicações.

O FBI também admitiu que Akayed Ullah nunca aparecera em lista de suspeitos ou chamou a atenção dos serviços de inteligência.

Leia também: Câmeras flagram explosão que deixou quatro feridos em Manhattan; assista

Apesar disso, as autoridades dos EUA confirmaram que a explosão no terminal de ônibus fora "uma tentativa de atentado terrorista".

Imigrante

O jovem nasceu e cresceu na capital, Daca, mas seus pais são da ilha de Sundiva. O pai do agressor morreu há dois anos, em Nova York, e foi enterrado na cidade.
De acordo com a imprensa dos EUA, Ullah trabalhava como taxista no bairro do Brooklyn e teria organizado o ataque por "vingança" a episódios de violência ocorridos em Bangladesh.

No entanto, o seu país natal é aliado dos EUA no sudeste asiático e não costuma ser alvo de bombardeios.

Os investigadores do caso, porém, confirmaram que o jovem imigrante assistia a conteúdos nas redes sociais publicados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Leia também: Explosão em tentativa de ataque terrorista deixou quatro feridos em Nova York

A mulher de Akayed Ullah está sendo interrogada em Bangladesh. O terrorista tem um filho de seis meses com a esposa.

* Com informações da Agência Ansa.

    Leia tudo sobre: estado islâmico