Tamanho do texto

Prêmio Nobel pelo direito à educação de meninas vira alvo de críticas na mídia paquistanesa por aparecer de jeans e salto alto em universidade

Malala Yousafzai foi alvo de terroristas do Talibã em 2012 pela sua luta pelos direitos das mulheres
Reprodução
Malala Yousafzai foi alvo de terroristas do Talibã em 2012 pela sua luta pelos direitos das mulheres

A ativista pelos direitos das mulheres – e em especial à educação de meninas –, Malala Yousafzai, tornou-se vítima de críticas na internet depois de, supostamente, aparecer de salto alto e calça jeans na Universidade de Oxford, no Reino Unido, onde estuda. Um portal paquistanês, país de origem da jovem prêmio Nobel, publicou a imagem “polêmica”.

Leia também: Defensora do direito à educação feminina, Malala estudará em Oxford

Depois de compartilhada pela mídia do Paquistão, a foto em que Malala Yousafzai aparece vestido jeans e uma bota de salto foi alvo de comentários depreciativos contra a estudante de 20 anos durante o último fim de semana. Algumas pessoas chegaram a compará-la à atriz de filmes adultos Mia Khalifa, apesar de a universitária manter a “dupatta” na cabeça (vestimenta típica das mulheres de seu país e da Índia) desde que chegou ao Reino Unido, há cinco anos.

Um homem chamado Yaseen Khan escreveu: “Ela é uma jogadora do jogo americano. Eu me sinto muito envergonhado de dizer que ela é paquistanesa”. Outro internauta de nome “UxMan MaAn” ainda diz que a jovem será “a próxima Mia Khalifa”.

Shaiq Sirajuddin Shah critica o fato de Malala estar usando calças “tão apertadas”, o que, segundo a mulher paquistanesa não seria um “problema particularmente importante se fosse um homem”.

Porém, um dos comentários mais assustadores – que foi feito por um cidadão paquistanês – e que foi compartilhado pela mídia do país, diz: “esta é a razão por que uma bala atravessou sua cabeça há algum tempo”.

Leia também: Fake Melania? Internautas se perguntam se essa mulher é mesmo a esposa de Trump

Jovem paquistanesa ativista dos direitos das mulheres ao estudo, Malala estudará política em Oxford
Reprodução/Twitter
Jovem paquistanesa ativista dos direitos das mulheres ao estudo, Malala estudará política em Oxford

Porém, muitas pessoas saíram em defesa da ativista. Imaan Mazari-Hazir, por exemplo, indagou aos críticos sobre as “prioridades” que os paquistaneses dão aos acontecimentos. “Há mais pessoas perdendo a cabeça porque Malala está vestindo jeans do que quando ela foi atingida por bala. Nossas prioridades demonstram porque nós somos nossos piores inimigos”.

A apresentadora paquistanesa Anita Anand, que apresenta Radio 4’s Any Answer s, afirmou ao MailOnline que a jovem “pode vestir aquilo que ela gosta”.

Leia também: "Guerra pode começar a qualquer momento", diz vice-embaixador da Coreia do Norte

Malala Yousafzai estuda na Universidade de Oxford , depois de se tornar refugiada com sua família no Reino Unido, já que foi alvo de terroristas do Talibã em 2012 pela sua luta pelos direitos das mulheres à educação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.