undefined
Reprodução
Kim Wall trabalhava como repórter independente; cabeça da jornalista foi encontrada na baía de Koge

A polícia da Dinamarca comunicou, na tarde deste sábado (7), que encontrou as pernas e a cabeça da jornalista sueca Kim Wall, desaparecida desde o dia 10 de agosto, quando fazia uma entrevista. As partes do corpo da repórter estavam na baía de Koge, ao sul de Copenhague.

Leia também: Jornalista diz ter sido assediada por deputado que tatuou o nome de Temer

De acordo com as autoridades, as pernas e a  cabeça da jornalista  estavam em sacos plásticos. Também foram encontradas as roupas da profissional e "pesadas peças de metal", usadas para fazer os sacos afundarem, além de uma faca.

A morte de Kim chocou os moradores da Dinamarca, devido à crueldade do esquartejamento. Ela havia desaparecido enquanto entrevistava o inventor dinamarquês Peter Madsen, em seu submarino.

O inspetor Jens Moller Jensen aproveitou o pronunciamento deste sábado para afirmar que não foi encontrado "qualquer sinal de fratura no crânio nem qualquer outro sinal de violência brutal no crânio".

Mais cedo, as autoridades revelaram que um corpo encontrado em partes em uma praia do país pertencia à repórter. O torso humano foi encontrado por um ciclista, no dia 22 de agosto, na ilha de Amager, ao sul de Copenhagen

Após o ciclista denunciar o achado às autoridades, um teste de DNA confirmou que os restos mortais pertenciam à jornalista.  Segundo os dados da autópsia, os membros e a cabeça foram "deliberadamente" retirados do torso.

Entenda o caso

A jornalista Kim Wall , 30 anos, atuava de maneira independente e já cobriu conflitos em diversos países, como Uganda e Coreia do Norte, para diversos jornais internacionais.

No dia 10 de agosto, ela foi fazer uma pauta com Madsen, 46 anos, e teria embarcado no submarino criado por ele.

Leia também: Repórter morta havia se mudado com namorado; cinegrafista planejava casamento

Como não enviou mais notícias, no dia seguinte, o companheiro e os familiares da repórter freelancer denunciaram o seu desaparecimento. Com as buscas em andamento, os agentes resgataram Madsen do mar de Oresund, entre a Dinamarca e a Suécia.

O homem foi preso pela polícia local sob a acusação de homicídio culposo, quando não há a intenção de matar, mas nega as acusações. No entanto, ele apresentou duas versões diferentes sobre o caso.

No primeiro depoimento, ele afirmou que a jornalista deixou o submarino por vontade própria. Mais tarde, no entanto, afirmou que ela morreu em um "incidente" na embarcação e que ele lançou o corpo dela no mar já sem vida.

Os investigadores acreditam ainda que Madsen provocou o naufrágio no submarino. Afinal, quando o equipamento foi tirado do mar, estava totalmente vazio. Não foi informado exatamente onde estavam as pernas e a cabeça da jornalista.

Leia também: Repórter e cinegrafista são mortos a tiros durante transmissão de TV ao vivo

* Com informações da Agência Ansa.

    Veja Também

      Mostrar mais