Casal deixa recém-nascido morrer de icterícia por achar que Deus gostaria que fosse dessa forma
Reprodução/Facebook
Casal deixa recém-nascido morrer de icterícia por achar que Deus gostaria que fosse dessa forma

Um casal cristão está sendo acusado de, por conta da própria fé, ter deixado um bebê morrer de icterícia – doença comum em um recém-nascido. A história polêmica causou diversas reações negativas e acabou se tornando caso de polícia. 

Leia também: Bebê é abandonado no acostamento de rodovia nos EUA com US$ 5 mil

Segundo informações do portal Mirror , os americanos Rachel Joy Piland e Joshua Barry Piland se recusaram a procurar tratamento médico para a filha pouco depois do nascimento. Os pais foram acusados de homicídio involuntário pela morte do recém-nascido .

Problema foi alertado, porém ignorado

A mãe deu à luz em casa, e o parto foi feito por uma parteira e dois assistentes que garantem que a menina nasceu saudável.

No entanto, quando a parteira retornou no dia seguinte, percebeu que a criança estava com icterícia, o que deixou a pele da criança amarelada, uma condição muito comum que afeta mais da metade dos bebês na primeira semana de vida.

Isso ocorre quando os pequenos produzem bilirrubina em excesso, um pigmento que afeta as células vermelhas do sangue.

A maioria dos casos não requer tratamento. Mas, de forma excessiva, esse problema pode causar danos cerebrais.

Você viu?

Por isso, ao perceber que a menina apresentava a icterícia, a parteira advertiu os pais, dizendo que deveriam levá-la ao hospital. “Rachel se recusou a buscar qualquer tratamento médico para Abigail, afirmando que Deus não comete erros”, afirma o detetive policial Peter Scaccia, segundo o Mirror

Leia também: Maioria no STF libera a promoção de crenças no ensino religioso em escolas

No dia seguinte, a criança não estava conseguindo se alimentar corretamente e ainda estava tossindo sangue. O detetive conta que Rachel colocou o bebê perto de uma janela usando apenas uma fralda e um secador de cabelo para mantê-la aquecida.

Morte do bebê

O policial conta que a condição de Abigail continuou a se agravar e avó da criança tentou levar a neta para o hospital, mas a mãe não permitiu. Logo, Abigail não resistiu e foi encontrada sem respirar. A polícia só foi alertada da morte pelo irmão de Rachel, que rapidamente chamou os oficiais da Califórnia.

O detetive lembra que, quando os oficiais chegaram, subiram as escadas e encontraram a criança morta e três pessoas em volta do corpo rezando por ela. Um médico realizou os exames e identificou a causa da morte. Quatro dias depois que Abigail morreu, Rachel publicou uma imagem da filha no Facebook.

Acusados aguardam julgamento

Rachel Joy Piland e Joshua Barry Piland estão sendo acusados de homicídio culposo e agora aguardam julgamento
Reprodução/Mirror
Rachel Joy Piland e Joshua Barry Piland estão sendo acusados de homicídio culposo e agora aguardam julgamento

O casal foi preso e acusado de homicídio culposo e poderá enfrentar até 15 anos de prisão, caso seja condenado. Porém, Rachel e o marido conseguiram pagar a fiança de mais de R$ 230 mil e agora aguardam julgamento em liberdade.

Leia também: Grávida perde sua bebê a cinco dias do parto após namorado chutá-la na barriga

A mãe continua atualizando o perfil do Facebook com citações religiosas que parecem fazer referência à morte do bebê recém-nascido. “O Senhor sabe como livrar o piedoso das tentações e reservar o injusto até o dia do julgamento para ser punido”, disse em uma das postagens.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários