Tamanho do texto

Tremor registrou 8,1 graus na escala Richter e deixou Oaxaca, Chiapas e Tabasco devastadas; terremoto é considerado o mais forte desde 1932

Terremoto ocorrido no México foi sentido por cerca de 50 milhões de pessoas
Reprodução/Twitter
Terremoto ocorrido no México foi sentido por cerca de 50 milhões de pessoas

O terremoto de 8,1 graus na escala Richter, que atingiu o México na última sexta-feira (8), já causou ao menos 96 mortos, segundo informações da agência de notícias France Press , nesta segunda-feira (11). As novas mortes registradas hoje ocorreram no estado de Oaxaca, que foi o maior atingido pelos tremores. 

Leia também: Após cair para categoria 1, furacão Irma perde força e vira tempestade tropical

As informações do novo balanço de mortos no país foram confirmadas por Eduardo Sánchez, porta-voz da presidência do México , depois que o governador de Oaxaca, Alejandro Murat, informou na televisão local sobre as novas vítimas no estado. Segundo informações do governador na noite do último sábado (9),  ao menos 71 pessoas haviam perdido a vida no estado até aquela data. Há ainda outras 15 vítimas fatais no estado de Chiapas e outras 4 em Tabasco.

Os três estados foram os mais destruídos pelos tremores. Até o momento, o governo confirmou que foram registradas 846 réplicas do sismo, com intensidades entre 2 e 6 graus. O terremoto da última sexta é considerado o mais forte no país desde 1932. O presidente Enrique Peña Nieto chegou a afirmar que é o "pior da história" por conta do alto grau de destruição no país. Nieto decretou, ainda, três dias de luto oficial pelas vítimas. 

Leia também: Após decreto de Fachin, Joesley e Saud decidem se entregar à Polícia Federal

Na sexta-feira, em entrevista ao canal Talavisa, Murat lembrou que há um grande número de feridos, ainda que, em termos de infraestrutura, os danos parecem ser menores. O terremoto fez tremer ao menos dez estados do sul e do centro do México. Segundo Peña Nieto, cerca de 50 milhões de pessoas – quase a metade da população do país – pôde senti-lo.

Em Juchitán, localizada ao centro da Oaxaca, socorristas utilizaram máquinas pesadas para remover os escombros e continuar com os trabalhos de resgate. A cidade foi a mais devastada pelo terromoto, com 37 mortos e diversas construções destruídas. "Já não há mais gente sob os escombros. A maioria foi resgatada quase imediatamente por familiares e vizinhos", disse Roberto Alonso, coordenador dos "Topos", forza integrada por especialistas em resgates após terremotos.

No momento, as autoridades buscam dar apoio às vítimas do terremoto. Em seu perfil no Twitter, a presidência do México divulgou uma ação realizada nos centros de doações da Cidade do México. O objetivo é buscar alimentos elatados e embalados, água, alimentos para bebês, artigos de higiene e limpeza, além de medicamentos.

Leia também: Maduro diz que, pela paz econômica, 'se precisar se tornar um ditador, o será'

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.