Tamanho do texto

Grupo terrorista incluía pelo menos 12 pessoas; cinco foram mortos pela polícia, outros quatro estão presos; ainda não se sabe quem dirigia a van

Atentado terrorista que atingiu Barcelona e Cambrils deixou mais de cem feridos e 13 mortos
Reprodução/El Periodico
Atentado terrorista que atingiu Barcelona e Cambrils deixou mais de cem feridos e 13 mortos

Após o atentado terrorista que atingiu as cidades de Barcelona e Cambrils , na Catalunha, deixando 13 mortos e mais de 100 feridos nesta quinta-feira (17), a Polícia da Catalunha em Cambrils continua em busca do grupo responsável pelo ataque, que incluía pelo menos 12 pessoas, das quais três permanecem com o paradeiro desconhecido.

A última atualização sobre os criminosos que atacaram Barcelona e Cambrils foi informada na noite desta sexta-feira (18) por Josep Lluís Trapero, major dos "Mossos d'Esquadra", nome oficial da força de polícia catalã. Em entrevista à emissora local "TV3", ele afirmou que, além dos cinco terroristas mortos em Cambrils , quatro suspeitos estão presos, e outros três indivíduos foram identificados, mas não detidos. Nenhum deles tinha antecedentes criminais ligados ao extremismo.

Ainda segundo o major, também foram encontrados restos mortais de dois indivíduos na casa que explodiu em Alcanar, a 200 quilômetros de Barcelona. Há possibilidade de que esses traços pertençam a dois dos três suspeitos que ainda não estão presos.

No início do dia, os Mossos haviam divulgado as identidades de quatro foragidos: Moussa Oukabir, 17 anos, Mohamed Hychami, 24, Said Aallaa, 18, e Younes Abouyaaqoub, 22. No entanto, três deles - os primeiros citados - foram abatidos e estão entre os cinco terroristas abatidos em Cambrils, enquanto o último ainda não foi encontrado.

Trapero também confirmou que a polícia ainda não conseguiu descobrir quem dirigia a van usada para atropelar centenas de pessoas nas Ramblas, no centro de Barcelona, mas ressaltou que "vem perdendo força" a hipótese de que o motorista fosse Moussa Oukabir.

Outros ataques

Segundo o major, as investigações feitas à respeito da casa de Alcanar indicam que o local estava sendo usado para preparar atentados ainda maiores. "Eles alugaram três furgões nos dias anteriores [aos ataques], e isso nos permite deduzir que tinham três cenários para atentar", acrescentou.

Uma das vans é de Las Ramblas e outra foi encontrada em Vic, 70 quilômetros ao norte da capital catalã. Hoje, a Espanha também alertou a França de que um terceiro furgão, um Renault Kangoo, pode ter cruzado a fronteira entre os dois países. Esse veículo teria sido alugado na tarde do dia do ataque, por Hychami e Aboyaaqoub.

Leia também: Premiê espanhol decreta luto no país após atentado terrorista que matou 13

Nos escombros da residência de Alcanar, que seria a base da célula terrorista, foram encontrados cilindros de gás propano e butano, supostamente comprados para a fabricação de bombas caseiras. Mas a suspeita é de que, como a casa acabou explodindo na noite da última quarta-feira (16), o grupo teria decidido acelerar os planos.

Por volta de 17h de quinta, uma van avançou por 700 metros no calçadão de Las Ramblas e atropelou dezenas de pessoas, deixando ao menos 13 mortos e mais de 100 feridos. Na madrugada de sexta-feira, a dinâmica se repetiu, porém em Cambrils, 120 quilômetros a sudoeste de Barcelona.

À 1h20, um carro com cinco homens atropelou seis pessoas na cidade - uma delas morreria pouco depois, em um hospital. Todos os terroristas foram abatidos pelas forças de segurança, sendo quatro deles por um único agente.

Por volta de 18h30 e 19h, um carro ainda atravessou um controle policial na Avenida Diagonal, que corta Barcelona, e foi perseguido até a cidade vizinha de Sant Just Desvern. O dono do veículo foi encontrado morto a facadas no assento do carona, mas o motorista escapou. Ainda não se sabe se esse episódio tem ligação com os atentados.

Motorista

Outro ponto que também não foi esclarecido ainda é de qual foi a função de cada um dos integrantes do grupo terrorista. A informação divulgada pela Polícia é de que foram identificados cinco terroristas de Cambrils e outros três, mas não foram apresentadas as identidades de todos. Levando em conta que Abouyaaqoub continua foragido, é possível que os restos mortais encontrados em Alcanar sejam dos outros dois suspeitos identificados e com paradeiro desconhecido.

Por conta de uma limitação temporal, o major dos Mossos declarou que é improvável que o motorista do furgão das Ramblas seja um dos terroristas abatidos em Cambrils. Como a polícia também já descartou que um dos quatro homens presos estivesse ao volante do veículo, cresce a hipótese de que Abouyaaqoub tenha sido o autor material do atentado em Barcelona.

Entre os suspeitos já detidos, há três cidadãos marroquinos e um espanhol de Melilla, enclave do país europeu no norte da África. Três prisões ocorreram em Ripoll, pouco mais de 100 quilômetros ao norte de Barcelona, incluindo a de Driss Oukabir, irmão de Moussa, a quem ele acusa de ter roubado seus documentos . Driss se apresentou espontaneamente em uma delegacia de Ripoll e afirma ser inocente. A outra captura foi realizada em Alcanar.

*Com informações e reportagem da Ansa

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.