Pelo menos 14 pessoas morreram na Espanha e quatro suspeitos foram presos; entenda o que aconteceu durante a madrugada e quem está foragido

Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado terrorista desta quinta-feira em Barcelona; entenda o que aconteceu
Reprodução/Twitter
Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado terrorista desta quinta-feira em Barcelona; entenda o que aconteceu

Como acontece em todos os atentados terroristas que chocam o mundo, as informações sobre os ataques desta quinta-feira (17) em Barcelona  ainda estão desencontradas nesta sexta-feira (18). Porém, as autoridades já confirmaram alguns detalhes. 

Por exemplo, sabe-se que pelo menos 14 pessoas morreram e mais de 130 vítimas ficaram feridas. Além disso, quatro pessoas já foram presas, suspeitas de estarem envolvidas com o o atentado em Barcelona . Veja tudo o que se sabe sobre o terror na Espanha:

Como ocorreu o ataque?

Uma van branca saiu, entre as 17h e 18h (horário local), da Praça da Catalunha , um dos pontos mais movimentados da cidade, e invadiu as Ramblas, rua turística de 1,2 quilômetro que segue até a marina da capital catalã.

O local é formado por duas vias estreitas para carros nas laterais e um amplo calçadão no centro, com inúmeras bancas, quiosques comerciais e barraquinhas de souvenires.

Van atropela multidão em Barcelona e deixa vários feridos
undefined
Van atropela multidão em Barcelona e deixa vários feridos

Situadas em pleno centro histórico, as Ramblas formam um dos pontos turísticos mais visitados da cidade e também contam com um comércio agitado.

Em um movimento de "zigue-zague", a van percorreu cerca de 600 metros no calçadão de pedestres e atropelou dezenas de pessoas até se chocar contra um quiosque.

O motorista então abriu a porta e saiu correndo. Ele não chegou a dar nenhum grito em que remetesse a um grupo terrorista e também não aparentava estar armado.

Leia também: Premiê espanhol decreta luto no país após atentado terrorista que matou 13

Depois disso, ainda não se sabe claramente o que ocorreu. O que é certo é que os autores do ataque alugaram dois furgões, um para atropelar e outro para fugir. Este último foi encontrado em Vic, cerca de 70 quilômetros ao norte da cidade.

Quantas pessoas morreram?

De acordo com os últimos dados oficiais, 14 pessoas morreram, sendo 13 em Las Ramblas e uma mulher que havia ficado ferida em Cambrils, no segundo atentado terrorista cometido no mesmo dia na Espanha.

Theresa May: 'o Reino Unido apoia a Espanha contra o terrorismo'
undefined
Theresa May: 'o Reino Unido apoia a Espanha contra o terrorismo'

Mais de 130 pessoas ficaram feridas, porém esse número não é exato, já que muitos indivíduos procuraram atendimento por conta própria. Desse total, ao menos 15 pessoas estão internadas em estado grave. Ou seja, o número de vítimas fatais pode aumentar ainda mais.

Quem reivindicou o atentado?

Poucas horas após o atentado, o grupo jihadista Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque , por meio de sua agência oficial de propaganda, a Amaq . Segundo a milícia, os autores do atentado são "soldados do califado".

O uso de veículos pesados - como vans e caminhões - tem sido o método preferido de simpatizantes do grupo extremista para cometer atentados na Europa, como nos ataques de Nice, em julho de 2016, em Berlim, em dezembro do mesmo ano, e em Londres, em março e junho de 2017.

Quantas pessoas já foram presas?

Os "Mossos d'Esquadra", nome da força policial da Catalunha, confirmaram a prisão de quatro homens, sendo que nenhum deles era o motorista do furgão usado no atropelamento, que continua foragido e fora identificado como Moussa Oukabir, de 18 anos.

Um espanhol natural de Melilla, enclave do país europeu no Marrocos, foi detido em Alcanar, a 200 quilômetros de Barcelona. Ele foi a primeira pessoa a ser detida.

Fotografia divulgada pela Polícia Nacional, de Driss Oukabir, suspeito que foi detido após o atentado em Barcelona
Divulgação/Polícia Nacional da Espanha
Fotografia divulgada pela Polícia Nacional, de Driss Oukabir, suspeito que foi detido após o atentado em Barcelona

Na madrugada desta quinta, essa mesma cidade havia registrado uma explosão em uma casa. Segundo a polícia, o episódio pode estar relacionado com o atentado na capital catalã. As forças de segurança encontraram diversos cilindros de gás na residência.

O irmão mais velho de Moussa, Driss Oukabir , de 18 anos, está detido em Ripoll. Ele se apresentou voluntariamente à delegacia após ver sua foto rodar nas redes sociais como o principal suspeito do atentado em Las Ramblas.

Leia também: Homem diz ter sido confundido com terrorista na Espanha após documentos roubados

Apesar de negar ligação com o ataque, o homem é mantido preso pela polícia, que investiga se Moussa usou os documentos do irmão para alugar as vans.

Outra pessoa, cuja a identidade ainda não foi revelada, também está presa em Ripoll e a polícia anunciou a detenção de um quarto suspeito na manhã desta sexta-feira.

O que aconteceu na madrugada?

Nas primeiras horas desta sexta-feira (horário local), a polícia realizou uma operação em Cambrils, cerca de 110 quilômetros a sudoeste de Barcelona, e matou cinco suspeitos .

Os homens estavam em um veículo que avançou contra civis e deixou seis feridos. Todos levavam cinturões explosivos, mas as autoridades detectaram que eram falsos.

"Trabalhamos com a hipótese de que os terroristas abatidos em Cambrils estejam relacionados com os fatos registrados em Barcelona e Alcanar", disseram os Mossos d'Esquadra. Eles usavam aparatos similares a coletes explosivos.

E, por fim, por que na Espanha?

Se confirmada a autoria do Estado Islâmico , a Espanha terá sido alvo de um atentado jihadista pela segunda vez. Na primeira, em 2004, pelas mãos da Al Qaeda, o país mantinha tropas no Iraque, e o ataque acabou levando à retirada dos militares espanhóis da nação árabe.

Internautas, celebridades e autoridades lamentaram o atentado em Barcelona
Reprodução/Instagram
Internautas, celebridades e autoridades lamentaram o atentado em Barcelona

Atualmente, Madri participa da coalizão internacional que combate o grupo jihadista no Oriente Médio. Ainda que sua participação seja apenas por meio de apoio logístico e de inteligência, a Espanha é um potencial alvo da milícia terrorista.

Além disso, parte da Península Ibérica, principalmente a região que hoje corresponde à Andaluzia, permaneceu sob domínio muçulmano por quase 800 anos, entre 711 e 1.492.

Há cerca de duas semanas, simpatizantes do grupo extremista pediram, pelas redes sociais, pela "reconquista de Al-Andalus", como era chamada a península até ser retomada pelos cristãos.

Esse período de aproximadamente oito séculos coincide com a Idade de Ouro Islâmica, por isso "Al-Andalus" é usada frequentemente nas mensagens de propaganda jihadista. Aparentemente, por esse motivo, Barcelona foi o cenário do atentado .

Leia também: Extrema-direita comete mais ataques que terrorismo islâmico nos EUA; veja dados

* Com informações da Agência Ansa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.