Tamanho do texto

Ao menos 600 pessoas estão desaparecidas por causa das inundações e deslizamentos em áreas afetadas, próximas à capital do país africano

Ao menos 600 pessoas estão desaparecidas por causa das inundações e deslizamentos em Serra Leoa
Divulgação/Twitter/Unicef Serra Leoa
Ao menos 600 pessoas estão desaparecidas por causa das inundações e deslizamentos em Serra Leoa

Os deslizamentos de terra e inundações provocados por fortes chuvas em Serra Leoa já deixaram mais de 300 mortos, e outras 600 pessoas desaparecidas. Entre as vítimas fatais, estão pelo menos 109 menores de idade, segundo informou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) nesta quinta-feira (17).

Leia também: Defensora do direito à educação feminina no Paquistão, Malala estudará em Oxford

As chuvas atingem zonas próximas a Freetown, capital de Serra Leoa . E, por causa do grande número de desaparecidos, o número de mortos pode aumentar. A situação alarmante ainda atinge mais de três mil desalojados. “O tamanho do estrago não tem precedentes. As crianças estão ficando sem lar e vulneráveis”, afirmou o representante da Unicef no país, Hamid El-Bashir Ibrahim.

O Unicef explicou que distribuiu água potável às famílias afetadas, além de medicamentos, lonas plásticas e luvas
Divulgação/Unicef Serra Leoa/Twitter
O Unicef explicou que distribuiu água potável às famílias afetadas, além de medicamentos, lonas plásticas e luvas

Em comunicado enviado hoje, a Unicef ainda explica que distribuiu água potável às famílias afetadas pelos incidentes, também havendo doado medicamentos, lonas plásticas e luvas, tudo que fora pedido pelo governo do país. As equipes da Organização das Nações Unidas (ONU), junto do Executivo serra-leonense, estão habilitando tanques de armazenamento de água para distribuir entre os deslocados e, desse modo, evitar surtos de cólera, febre tifoide e outras doenças, uma vez que muitos poços de água ficam contaminados após o desastre.

Leia também: Extrema-direita comete mais ataques que terrorismo islâmico nos EUA; veja dados

Nesta semana, centenas de pessoas estão se dirigindo aos necrotérios para identificarem e retirarem os corpos dos parentes, vítimas das inundações e deslizamentos de terra. Em meio ao caos, o governo decretou sete dias de luto em homenagem às vítimas.

Leia também: Ao menos 37 pessoas morrem após ação do governo em prisão na Venezuela

As inundações começaram a ser registradas na última segunda-feira (14), especialmente em lugares de Freetown onde as construções ilegais dominam as ruas. Assim, boa parte dessas casas ficou totalmente destruída. Grandes deslizamentos de terra derrubaram não só casas, mas também edifícios altos; pelo menos mil residências ficaram completamente cobertas de barro nas áreas mais atingidas de Serra Leoa, entre elas estão  Racecourse, Regent e Lumley, em que os imóveis improvisados predominam.

 *Com informações da Agência Brasil