Tamanho do texto

Conflito teve início por manifestação de supremacistas brancos contra negros, homossexuais, imigrantes de judeus na última sexta-feira (11)

Neonazistas desfilam em cidade norte-americana na sexta (11); estado da Virgínia emitiu alerta após protestos
Reprodução/Twitter
Neonazistas desfilam em cidade norte-americana na sexta (11); estado da Virgínia emitiu alerta após protestos

Um confronto entre supremacistas brancos e antifascistas deixou ao menos um morto e 34 feridos em Charlottesville, nos Estados Unidos, de acordo com a "CNN". A situação ocorrida neste sábado (12) foi desencadeada após um protesto organizado pela extrema-direita do país, que se posiciona contra negros, gays, imigrantes e judeus, na última sexta-feira (11).

Leia também: China pede que Trump modere palavras e atos por tensão com Coreia do Norte

A situação mais grave do confronto aconteceu quando um carro acelerou contra uma multidão de antifascistas que haviam ocupado o local onde ocorreria um novo protesto marcado para este sábado pelos neonazistas. 

O conflito nos Estados Unidos levou a prefeitura da cidade a declarar estado de emergência e citar o ato como uma "iminente guerra civil" em Publicação no Twitter. De acordo com informações divulgadas pelo polícia do Estado de Virgínia, foi realizada a detenção de alguns manifestantes.

A extrema-direita dos país organizou a manifestação em Charlottesville após a cidade ter anunciado a pretensão de remover de um parque municipal a estátua de Robert E. Lee, um gerenal confederado, segundo informações da "BBC News".

Mais de mil agentes já haviam sido mobilizados por precaução, de acordo com a agência "Efe". Além disso, o governador Terry McAuliffe havia solicitado aos cidadãos que permanecessem afastados da manifestação. 

Leia também: Presidente da França pede responsabilidade contra tensão na Coreia do Norte

Polícia de Virgínia, nos Estados Unidos, disse ter feito detenções durante os confrontos
Reprodução/Virginia State Police
Polícia de Virgínia, nos Estados Unidos, disse ter feito detenções durante os confrontos

Durante os protesto de sexta-feira, centenas de manifestantes puderam ser vistos carregando tochas e fazendo saudações nazistas enquanto palavras de ordem. Homens e mulheres diziam, por exemplo, "vocês não vão nos substituir", fazendo referência aos imigrantes e "morte aos antifas", q ue são justamente os antifascistas, grupos de oposição aos neonazistas .

Alguns estudantes negros da Universidade de Virgnia, junto com joves antifascistas, fizeram uma "parede-humana" para tentar evitar que os manifestantes chegassem à estátua do terceiro presidente norte-americano, Thomas Jefferson, que era o ponto final da marcha.

Os participantes definiram o protesto como forma de aquecimento para o evento maior, nomeado como "Unir a Direita", que aconteceria neste sábado na cidade. Eram esperadas mais de mil manifestantes, além de líderes norte-americanos de grupos de extrema-direita.

Leia também: Donald Trump fala em "ação militar" na Venezuela e pede democracia

O presidente Donald Trump, se manifestou no Twitter sobre o acontecido. "Todos nós devemos estar unidos e condenar tudo o que representa o ódio. Não há lugar para esse tipo de violência na América. Vamos juntos como um!", publicou.

A primeira dama dos Estados Unidos também já havia utilizado a rede social para se posicionar contra os conflitos. "Nosso país incentiva a liberdade de expressão, mas vamos nos comunicar sem ódio em nossos corações. Nada de bom vem da violência", disse Melania Trump.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.